Com tumor no cérebro, paciente espera por atendimento no corredor de hospital

Por Wanderley Preite Sobrinho e Renan Truffi - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Usuários do Hospital do Servidor Estadual, na zona sul da capital paulista, reclamam das condições do Pronto Socorro ao aguardar por atendimento médico nos corredores

Com reforma prevista para começar em maio, o Pronto Socorro do Hospital do Servidor Público do Estado de São Paulo (Iamspe), na avenida Ibirapuera, na zona sul de São Paulo, segue causando insatisfação em seus usuários, que já em fevereiro reclamavam a falta de médicos e enfermeiros. Assim como naquela ocasião, as macas dos pacientes continuam congestionando o estreito corredor do PS, que atende principalmente a idosos, 60% dos usuários.

Leia também: Pacientes aguardam até 8h atendimento no Hospital do Servidor em São Paulo

Acompanhada da mãe, Alessandra do Nascimento empurrava a maca do pai, o aposentado Elias Concordio do Nascimento, de 78 anos, diagnosticado recentemente com câncer no cérebro.

“Esperando por atendimento desde as 7h”, Alessandra perdeu a paciência por volta das 12h, quando, em voz alta, começou a pedir a internação do pai, “que urinava sangue”, e a presença do responsável pelo Pronto Socorro. Ninguém apareceu.

“A médica falou que ele tem de três a seis meses de vida e está no corredor. Meu pai precisa ser internado. A administração me disse que isso não poderia acontecer porque não há vaga!”, desabafou.

Wanderley Preite Sobrinho/iG
Macas congestionam corredor estreito do Hospital do Servidor Estadual de São Paulo

De acordo com Alessandra, a falta de funcionários de limpeza obrigou ela e a mãe a cuidarem da higiene do quarto em que seu Elias precisou ficar internado por 30 dias. “Ainda me disseram que ele foi contaminado em casa!”

Outro lado

A assessoria de imprensa do hospital disse, em nota, que o paciente deu entrada no Pronto Socorro somente no fim da manhã, ao contrário do que diz Alessandra.

Além disso, o comunicado afirma que “as queixas que levaram o paciente ao PS não têm relação com a doença pré-existente”.

“O paciente foi atendido pelo médico às 11h35 e, às 12h40, após ser medicado e realizar exames, foi encaminhado para a área de acolhimento”, rebate o texto antes de concluir que o primeiro atendimento foi feito em “18 minutos”.

O hospital também informou que dispõe de 1.400 médicos e que qualquer um deles pode ser acionado para atendimento no Pronto Socorro. Ainda de acordo com a assessoria de imprensa, “as obras de reforma e ampliação do PS, inclusive com a construção de um novo prédio, estão previstas para maio”.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas