Polícia acredita que dois dos presos pertencem ao PCC. Veículo com armas, munições e lista com endereço de agentes militares estava estacionado atrás do quartel

Agência Estado

Quatro homens, dois deles suspeitos de pertencerem ao Primeiro Comando da Capital (PCC), foram presos, no início da madrugada desta terça-feira, no bairro Rochdale, em Osasco, na Grande São Paulo, próximo à sede do Comando de Policiamento de Área Metropolitano VIII (CPAM-8), onde fica o centro de operações da Polícia Militar.

Leia também:  Famílias de PMs mortos durante folga receberão seguro

Armas, munições e quantia em dinheiro foram apreendidos pela PM. Dois dos presos pertencem ao PCC
Helio Torchi/Futura Press
Armas, munições e quantia em dinheiro foram apreendidos pela PM. Dois dos presos pertencem ao PCC

Segundo a PM, há suspeita de que o grupo preparava-se para atacar bases da corporação na região. Abordados na rua Analândia, os quatro suspeitos ocupavam um Citroën C3 preto, denunciado por moradores do bairro que vinham estranhando a atitude dos desconhecidos. Dentro do Citroën e de um Ford EcoSport, também preto e cujas chaves estavam com o grupo abordado no primeiro veículo, foram encontrados quatro armas, sendo três revólveres, munições de diversos calibres, R$ 6 mil em dinheiro. Outros integrantes do bando conseguiram fugir em um Chevrolet Cativa.

Dois PMs são mortos a tiros em diferentes regiões de São Paulo

O EcoSport estava estacionado atrás do quartel. A polícia acredita que os criminosos pretendiam atacar policiais militares ou bases da corporação. Com um dos suspeitos, foi apreendido um bilhete com o endereço de alguns policiais. Um dos PMs mora próximo de onde o grupo foi preso.

Todos foram levados para o plantão do 10º Distrito Policial, do Jardim Baronesa, e autuados em flagrante por porte ilegal de armas e formação de quadrilha. Segundo a polícia, os integrantes do grupo saíram da cadeia há um ano e têm passagens por roubo, sequestro, homicídio e formação de quadrilha.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.