Relatório da Abin mostra que a situação está ruim há alguns meses e pode se agravar. Governo de São Paulo nega que setor de inteligência acompanhe situação em presídios

Agência Estado

PM estava de folga quando foi morto no Butantã, em São Paulo, na quinta-feira (27)
Alex Falcão/Futura Press/AE
PM estava de folga quando foi morto no Butantã, em São Paulo, na quinta-feira (27)

O sistema de monitoramento de crises do governo federal aumentou o alerta para São Paulo por causa das ações recentes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Um relatório especial feito pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que abastece o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) ligado à Presidência da República, mostra que a situação, ruim há alguns meses, tende a se agravar em razão da resposta do grupo às ações das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). O governo de São Paulo nega.

Após ação em 'tribunal':  Governo de São Paulo troca o comando da Rota

Acuado pela ofensiva policial, o comando do PCC teria determinado que seja aplicada no Estado a "cláusula 18": "Vida se paga com vida e sangue se paga com sangue". Para cada membro da facção morto, um policial deve ser assassinado. A morte do soldado André Peres de Carvalho , do 1.º Batalhão de Choque (Rota), na capital, teria sido recebida quinta-feira pelo PCC como uma "vitória". Pela primeira vez, o grupo teria conseguido atingir a unidade.

A contabilidade mortal do PCC também incluiu a execução de Florisvaldo de Oliveira, de 53 anos, o Cabo Bruno , no mesmo dia, no interior do Estado. Líder de um grupo de extermínio nos anos 1980, estava livre havia 34 dias e seria um símbolo para o PCC. Informações da Abin mostram que o grupo teria se fortalecido nos últimos seis anos, depois de uma relativa "paz" desde os ataques a São Paulo, em maio de 2006.

Leia também: 

Soldado da Rota é morto a tiros em avenida da zona oeste de São Paulo
Rota invade reunião do PCC e mata seis durante tiroteio em São Paulo
Governo: 'Quem não reagiu está vivo', afirma Alckmin sobre ação da Rota 

Mesmo com alguns líderes presos, o PCC se reorganizou. Recentemente, no entanto, a Rota iniciou um trabalho próprio de inteligência que começa a chegar perto do PCC. Informações atribuídas a denúncias anônimas - como a do "tribunal" estourado há duas semanas , em que nove pessoas foram mortas - teriam vindo desse trabalho.

Área de galpão dentro da chácara durante ação em
Rafa Von Zuben/Futura Press
Área de galpão dentro da chácara durante ação em "tribunal do crime", na Grande SP

O secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, contesta o documento. "Fico indignado. São notícias sem fundamento. A Abin não monitora presídios e não mantém contato com a inteligência do Estado. Não monitora nem as fronteiras para coibir a entrada de armas e drogas." Ele acusou a agência de, no período pré-eleitoral, servir a interesses político-partidários.

Comando

Com o grupo caçado pela Rota, a ordem de usar a "cláusula 18" teria vindo diretamente de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder do PCC preso na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. A instrução aos criminosos é observar o cotidiano de policiais, para conhecer seus hábitos e fazer a execução durante a folga - de preferência, na frente da família.

Dados da PM de São Paulo mostram que o número de policiais mortos neste ano é 40% maior do que no mesmo período de 2011. A preocupação do governo federal é que a crise se intensifique em São Paulo e se espalhe.

Mais seis policiais da Rota são afastados em São Paulo
Número de PMs mortos em São Paulo é 40% maior que em 2011

As informações da Abin são de que o PCC se armou e se expandiu nos últimos anos. Apesar de concentrar as ações em São Paulo, ele teria associações com criminosos em diversos Estados, especialmente nas fronteiras com o Paraguai e a Bolívia. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.