Único neurocirurgião de plantão no Hospital Municipal Salgado Filho faltou ao trabalho e menina ferida por uma bala perdida demorou para ser operada na noite de Natal

Agência Estado

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), disse nesta quarta-feira (26) que demitirá o neurocirurgião Adão Orlando Crespo Gonçalves por ter faltado ao plantão em que estaria trabalhando na noite do dia 24 e na madrugada do dia 25, no Natal. Além disso, Paes afirmou que a partir de janeiro determinará que todos os hospitais da cidade tenham controle biométrico de ponto dos trabalhadores para evitar que "maluquices" como esta voltem a acontecer. As unidades terão seis meses para fazer a adaptação.

O caso: Menina é atingida por bala perdida no Rio
Leia também: P ai de menina baleada diz que vai processar prefeitura
Conselho de medicina vai apurar demora em atendimento de vítima de bala perdida

Pai de menina atingida por bala perdida diz que pretende processar a prefeitura
Alessandro Costa / Agência O Dia
Pai de menina atingida por bala perdida diz que pretende processar a prefeitura

Na madrugada do dia 25, a garota Adrielly dos Santos Vieira, de 10 anos, aguardou para ser atendida por 8 horas no Hospital Municipal Salgado Filho, no Meier. Atingida na cabeça por uma bala perdida durante as comemorações de Natal, numa favela na zona norte do Rio, a menina foi levada ao hospital, mas demorou para ser operada porque havia apenas um profissional de plantão, justamente o que faltou. A menina está internada em estado grave no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) da unidade.

"Vou demitir esse médico, que é um irresponsável. Não dá para você estar escalado para um plantão e simplesmente não aparecer", afirmou o prefeito ao chegar ao Ministério da Fazenda, em Brasília. A demissão, de acordo com Paes, já foi determinada. Falta apenas ocorrer o trâmite legal para abertura de inquérito. "Acho até que ele tem de responder criminalmente por sua ausência", afirmou. Ainda há incertezas sobre se o neurocirurgião realmente faltou ao plantão porque, na terça-feira, ele afirmou à TV Globo que havia pedido demissão.

Segundo o prefeito, as críticas à existência de apenas um plantonista é uma forma que o sindicato da categoria encontrou para desviar a atenção do caso. "O sindicato dos médicos já começa com suas teses corporativistas para proteger esse delinquente", afirmou. "Esse médico é um irresponsável que merece pagar e tem de ser punido pelo que fez", continuou.

Conforme Paes, os hospitais do município estão em uma situação boa de atendimento. "Não é excepcional, mas é boa", disse. Ele relatou que nesta quarta teve conhecimento de um outro problema em um hospital por conta do atendimento a um paciente de Belford Roxo. "Temos exportação de doentes para a cidade do Rio de Janeiro vindo da região metropolitana", pontuou. A Polícia Civil do Rio, o Ministério Público Estadual e o Conselho Regional de Medicina (Cremerj) vão investigar se Adrielly foi vítima de omissão de socorro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.