Nenhum ônibus saiu das estações Barreiro e Diamante, segundo a BHTrans. Reunião pode retomar as negociações

A greve de motoristas e cobradores do transporte coletivo de Belo Horizonte e de outros municípios da região metropolitana da capital mineira entrou no segundo dia afetando mais de 1 milhão de pessoas. Os transtornos devem continuar ao menos nesta terça-feira, já que a greve foi decretada por tempo indeterminado, não foram feitas novas negociações e há um impasse entre patrões e trabalhadores . Uma reunião no fim da manhã desta terça-feira pode retomar as negociações.

Tempo real: Acompanhe o trânsito em Belo Horizonte e em mais 16 cidades

Passageiros embarcam em lotações na Estação Eldorado do Metrô, em Contagem (MG), na Grande Belo Horizonte, na manhã desta terça-feira
AE
Passageiros embarcam em lotações na Estação Eldorado do Metrô, em Contagem (MG), na Grande Belo Horizonte, na manhã desta terça-feira
De acordo com a BHTrans, todas as viagens previstas para partir nesta terça-feira da estação Diamante e da estação Barreiro não saíram. A empresa informa que a partidas das estações de Venda Nova, São Gabriel e Vilarinho estão sendo cumpridas.

Os trabalhadores reivindicam 49% de reajuste nos salários, folhas de tíquete-alimentação de R$ 15, a instalação de banheiros femininos nos pontos finais e participação nos lucros e resultados (PLR). O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH), por sua vez, ofereceu reajuste de 13% no salário dos motoristas e trocadores, com aumento de 20 minutos diários na jornada de trabalho, e de 9% para o pessoal da manutenção e administração; ou aumento de 6% sem alteração na jornada, além de abono de R$ 150 para quem ganha até R$ 1 mil e de R$ 300 para quem recebe acima desse valor.

Mais de um milhão de pessoas foi prejudicada com greve de ônibus em Belo Horizonte
AE
Mais de um milhão de pessoas foi prejudicada com greve de ônibus em Belo Horizonte

O Setra-BH afirmou que vai entrar com dissídio de greve no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Segundo sua assessoria, a entidade alega que a paralisação é ilegal porque não houve resposta sobre a última proposta nem comunicação sobre a greve com antecedência de 72 horas. Já a BHTrans informou que notificou os concessionários e que pode puni-los porque é "obrigação de cada um manter reserva técnica suficiente para atender os níveis de serviços e elaborar e implementar esquemas de atendimento emergencial à população".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.