Atentados são 'mal que vêm para o bem', diz secretário do Maranhão

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Onda de violência deixou uma criança de 6 anos morta e quatro pessoas feridas por queimaduras, o que levou o governo federal a oferecer ajuda a Roseane Sarney

Agência Estado

O secretário de Estado de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão, Sebastião Uchôa, se referiu nesta terça-feira (7) aos efeitos provocados pela onda de atentados contra ônibus e delegacias de São Luís como "um mal que vinha pra o bem". A onda de violência deixou uma criança de 6 anos morta e quatro pessoas feridas por queimaduras, o que levou o governo federal a oferecer ajuda.

Conheça a home do Último Segundo

"O governo está fazendo o que está ao alcance dele. O esforço para construção de presídios já estava em mandamento. Agora, a alta-burocracia de legalidade estava impedindo e tem até males que vêm para o bem. Porque, por conta dos acontecimentos, olha o encadeamento de investimentos que está sendo feito", disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes.

Leia também:

Procurador avalia possibilidade de intervenção federal em presídios do MA

Após acordo, ônibus voltam a circular normalmente em São Luís

Agência Brasil
Ônibus incendiado por criminosos nesta sexta-feira, em São Luís

Uchôa afirmou ainda que a transferência de presos do Estado para cadeias federais é uma ação provisória, mas que tem pouca eficácia. "Transferir presos, simplesmente, é enxugar gelo e adia o problema porque o preso vai voltar uma hora e volta pior do que foi. Ele volta com um título de que puxou cadeia federal e isso é perigoso e, em outras ocasiões, não se mostrou bom nem estrategicamente", afirmou.

Mais:

Morre menina de 6 anos queimada em ataque a ônibus no Maranhão

Criminosos incendeiam ônibus com passageiros e ferem quatro no Maranhão

Ao comentar o processo de escolha dos presidiários que serão transferidos para prisões federais, Uchôa afirmou ainda que não há uma data prevista e que é feito um estudo e levantamento de documentos para enviar os detentos para Mato Grosso do Sul. "A decisão política já foi tomada, mas a decisão técnica está sendo arregimentada. A burocracia é necessária. Determinar o tempo agora é prematuro", afirmou.

Leia tudo sobre: GERALMaranhãocadeiaPedrinhasfacções criminosas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas