'Não mandei que queimassem viatura e nem fechassem BR', diz líder grevista

Marco Prisco diz que gravações não foram divulgadas na íntegra; PSDB disse desconhecer a filiação do grevista

Cintia Kelly, especial para o iG, em Salvador |

O líder da greve na Polícia Militar na Bahia, Marco Prisco, afirmou na noite desta quinta-feira que está tranquilo depois da divulgação de gravações que mostram acertos para a realização de ações de vandalismo em Salvador e que a ameaça de cancelar o carnaval é uma chantagem . Pristo desafiou o Jornal Nacional, da Rede Globo, a disponibilizar a gravação na íntegra.

Prisco, que é filiado ao PSDB , negou que tenha mandado policias cometerem atos de vandalismo. “Pedi que toda a tropa descesse para cá, para Salvador, porque o Exército cercou aqui, teve tiro de borrachas, uso de spray de pimenta. Foi o pior dia”, disse. “Mas não mandei que queimassem viatura ou carreta. Quando disse para fechar a BR, foi para fechar com a tropa”.

Saiba mais: Grevistas promoveram terror para inviabilizar carnaval, mostram gravações

Ele confirma que pediu para que os policiais da Companhia Ações Especiais no Sudoeste e Gerais (Caseg), de Vitória da Conquista, fossem para Salvador engrossar o movimento grevista. Segundo ele, a ligação foi feita na segunda-feira, quando as tropas federais e o Exército cercaram a Assembleia Legislativa.

Prisco afirmou que a gravação não foi mostrada na íntegra.  “Logo depois, pedi que Salmão passasse para outra pessoa. Uma policial atendeu e eu pedi para que ela o acalmasse. Foi isso”.

Governo federal: ‘Temos que dar resposta pontual’, diz ministro sobre greve de PMs

Questionado se tem envolvimento com uma orquestração para que ocorram greves no Rio de Janeiro e São Paulo para pressionar o Congresso aprovar a PEC 300 – que unifica o piso salarial dos bombeiros e policiais_, Prisco negou mais uma vez e diz que a Associação dos Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra) é contra essa proposta.

“O que queremos é a aprovação da PEC 102, que desmilitariza a polícia”.

PSDB

O presidente nacional do PSDB. Sérgio Guerra (PE), afirmou que vai deixar que os tucanos do Bahia apurem a conduta de Marco Prisco, um dos policiais militares que lideram a greve da categoria em Salvador. "Nunca vi mais gordo. Vou saber com o PSDB da Bahia quem é ele (Prisco)", disse Guerra.

Deputado federal pelo PSDB baiano, Jutahy Júnior afirmou também que não conhece Prisco. Porém, ressaltou que os tucanos da Bahia defendem o fim da greve da PM.

"Já tivemos muitos prejuízos. O governador Jaques Wagner deveria priorizar o fim da greve, e não fazer disputa política em torno do assunto", afirmou Jutahy.

* Com Adriano Ceolin, iG Brasília

    Leia tudo sobre: greve pm bahiapriscolíder

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG