Ministra critica uso de crianças em greve na Bahia

Para Maria do Rosário, o uso de crianças como escudo humano por policiais militares na Bahia é reprovável

AE |

selo

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, fez nesta terça-feira (7) duras críticas à estratégia adotada pelos policiais militares em greve na Bahia. Segundo ela, o uso de crianças como escudo humano é reprovável. A ministra manifestou apoio ao governador do Estado, Jaques Wagner, na condução das negociações.

Futura Press
Mulheres e crianças na Assembleia Legislativa da Bahia

Protesto: 'Presídio e cadeia é para bandido', diz policial grevista da Bahia
Oitavo dia: Mais policiais deixam assembleia da BA a acesso a prédios públicos é liberado

“O ministro José Eduardo Cardozo está fazendo encaminhamentos pelo governo federal. Não consideramos que se trate de um movimento social. É uma atitude violenta contra a população, por parte de alguns que se apresentam como grevistas”, disse a ministra, após participar da cerimônia em comemoração à sanção da Lei do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase).

A Lei do Sinase organiza e regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas aos adolescentes envolvidos na prática de ato infracional e recomenda que a aplicação da pena seja individualizada, levando em conta condições como doenças, deficiências ou dependência química.

Com a nova lei, será possível, segundo Maria do Rosário, a criação de um sistema efetivo a partir da definição das responsabilidades dos estados, municípios e da União, além de melhor definir o papel do Judiciário nas questões envolvendo menores infratores.

"Não pretendemos transferir responsabilidades. Estamos aqui para exercê-las", disse a ministra.

A nova lei garante ainda o acesso dos jovens infratores à educação, capacitação profissional e ao retorno à escola pública após o período nas unidades de internação. Outra novidade da lei é dar aos jovens casados ou com relacionamento estável o direito a visitas íntimas - permitidas apenas após autorização do juiz responsável pelo acompanhamento.

    Leia tudo sobre: bahiagreve da pmassembleiamaria do rosárioescudo humano

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG