Conheça destinos turísticos da Costa das Baleias

Região no extremo sul da Bahia reúne tesouros naturais, boa culinária e traços de arquitetura colonial

Thiago Guimarães, iG Bahia |

A rota turística da Costa das Baleias começa no limite sul da Bahia, na divisa com o Espírito Santo, e se estende por 200 km de praias até Prado, cidade ao sul de Porto Seguro. São cinco pequenos municípios costeiros (Mucuri, Nova Viçosa, Caravelas, Alcobaça e Prado), com populações que vão de 21 mil (Caravelas, Alcobaça) a 38 mil habitantes (Nova Viçosa).

João Ramos/Bahiatursa
Casas da comunidade, em Abrolhos
Isolada do restante do Estado até a primeira metade do século 20, a região só passou a se integrar à economia estadual e nacional nos anos 1970, a partir da construção da BR-101. Também por isso ainda mantém preservada parte significativa da costa, em trechos de rios, cachoeiras, mangues e praias. Pelas sedes urbanas encontram-se indícios da ocupação colonial portuguesa, uma culinária rica em peixes e frutos do mar e boa estrutura de hospedagem.

O turismo de observação de baleias dá nome ao roteiro. A atividade é praticada na região do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, área de maior biodiversidade do Atlântico Sul, 70 quilômetros mar adentro. Confira detalhes deste e de outros cinco destinos da Costa das Baleias.

Parque Nacional Marinho de Abrolhos

João Ramos/Bahiatursa
As baleias jubarte em Abrolhos
Criado em 1983, em área que equivale a quase três cidades de Belo Horizonte, o parque é refúgio de baleias jubarte que de junho a novembro migram da Antártida para reproduzir e amamentar na costa da Bahia e do Espírito Santo. Em visita no último dia 14 de setembro, ao menos seis grupos de baleias se aproximaram da embarcação que conduzia a reportagem do iG ao parque – olhando-se para o horizonte, até cinco diferentes grupos podiam ser observados simultaneamente. Abrolhos é também a região mais rica em corais e peixes no litoral brasileiro. Abrange cinco pequenas ilhas crivadas de aves – o desembarque só é permitido em uma delas, a Siriba, e ainda assim em caminhada orientada por funcionário da unidade.

As principais atrações ficam na água, com mergulhos nas imediações da ilha Siriba que simulam a sensação de estar dentro de um aquário, dada a diversidade de peixes e corais. Duas operadoras sediadas em Caravelas (Horizonte Aberto e Apecatu Expedições) promovem saídas regulares a Abrolhos, ao custo médio de R$ 250 por pessoa. Também é possível partir das cidades de Alcobaça e Nova Viçosa. Para quem se interessa em mergulhar por mais tempo, é interessante tentar pernoitar no barco – como a viagem a Abrolhos dura em média sete horas, entre ida e volta, o cronograma pode ficar apertado para apenas um dia.

Cumuruxatiba

João Ramos/Bahiatursa
A vila de Cumuruxatiba
Distrito de Prado, está a 30 km por estrada de terra da sede do município. A outrora vila de pescadores conta hoje com boa estrutura turística (pousadas, restaurantes, vendas) e 4.000 moradores. Recebeu o nome dos primeiros pataxós que habitavam a região, em referência ao fenômeno da maré vazante, em que o nível do mar baixa a ponto de revelar corais e permitir caminhadas de até 1 quilômetro água adentro. Conserva trechos intactos de mata atlântica, praias desertas de águas quentes e areia monazítica - escura e de propriedades medicinais.

Barra do Cahy

A foz do rio Cahy fica a 12 km pela praia (ou 18 km por estrada de chão) da sede de Cumuruxatiba. A região de 1,2 quilômetro, descrita na carta de Pero Vaz de Caminha, disputa com Porto Seguro o posto de cenário do primeiro contato entre índios e portugueses - um matemático da tripulação de Pedro Álvares Cabral teria aportado por lá antes do desembarque, mais ao norte. A estrutura turística inclui apenas uma barraca à beira-mar, que fecha na baixa temporada.

Corumbau

João Ramos/Bahiatursa
Praia do distrito de Corumbau, em Prado
Na língua dos pataxós, Corumbau significa “longe de tudo”. E assim o distrito de Prado parece querer se conservar. São 15 km de praias de areia fofa e nenhum sinal de celular. A sede do distrito está 56 km ao norte de Cumuruxatiba, no limite superior da Costa das Baleias. O acesso por terra é esburacado – o que agrada quem defenda a manutenção do caráter isolado do destino. Na maré baixa, um banco de areia emerge e a chamada ponta do Corumbau avança por até 2 km mar adentro. O local conta também com hotéis de luxo e pousadas sofisticadas. Passeios de um dia de barco desde Cumuruxatiba ou Caraíva, já distrito da vizinha Porto Seguro, saem por cerca de R$ 60.

Travessia Prado-Cumuruxatiba

João Ramos/Bahiatursa
Praia do Tororão, na travessia Prado-Cumuruxatiba
O percurso pode ser feito pela estrada de terra razoável que acompanha a costa ou à pé por 20 quilômetros de praias. Para os adeptos da caminhada, é preciso consultar a tábua de marés para evitar cheias em trechos de falésias. Essas formas geográficas dão a moldura da praia da Paixão, enseada de águas tranqüilas a 11 quilômetros do centro de Prado. Outro ponto de parada é a praia do Tororão e sua pequena cascata de água doce que desce das falésias até a areia.

Caravelas

João Ramos/Bahiatursa
Vista de Caravelas
Ponto do continente para próximo do arquipélago de Abrolhos, Caravelas é também marco da colonização portuguesa no Brasil. Conta com trilhas por labirintos de manguezais, rios e lagoas, em que é possível conhecer comunidades ribeirinhas e experimentar produtos típicos como a tapioca. O centro de visitantes do Parque Nacional de Abrolhos oferece detalhes da unidade de conservação e uma réplica em tamanho natural da baleia jubarte.

    Leia tudo sobre: costa das baleiasbahiaturismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG