Com greve, início das aulas é adiado em Salvador e 17 eventos são cancelados

Operadoras de viagem de SP e do RJ já notaram redução de 10% na venda de pacotes para Bahia; para conter boatos, empresa de turismo diz que Carnaval está mantido

Cintia Kelly, especial para o iG, em Salvador |

Com a greve da Polícia Militar da Bahia, que completa sete dias nesta segunda-feira, escolas particulares e da rede municipal de Salvador adiaram o início das aulas. O ano letivo só deve começar quando a greve acabar. A rede estadual, entretanto, manteve o início, embora muitos alunos não tenham comparecido às aulas.

As faculdades de Salvador e do interior do Estado também decidiram cancelar as aulas por uma questão de segurança.

Saiba mais: Tropas federais cercam Assembleia Legislativa em Salvador

O Tribunal de Justiça, que funciona no Centro Administrativo da Bahia, onde as tropas federais e o Exército fazem o cerco aos grevistas, também não funcionou nesta segunda-feira. O comércio nas cidades de Irecê, Vitória da Conquista, Valença funcionaram parcialmente. Em vitória da Conquista os ônibus sequer circularam.

Os três níveis de Justiça na Bahia (Estadual, Federal e Trabalhista) não funcionaram ou encerraram o expediente mais cedo. Os prazos processuais também foram suspensos e os tribunais passaram para regime de plantão apenas para os casos urgentes. O mesmo ocorreu com as três vertentes do Ministério Público.

Na Defensoria Pública do estado, o expediente terminou às 17h, e na Defensoria Pública da União, foram atendidos apenas os cidadãos que já estavam na sede do órgão até as 14h, assim como os casos urgentes envolvendo questões criminais, de saúde e questões decorrentes do movimento grevista.

O comércio nas cidades de Irecê, Vitória da Conquista, Valença funcionaram parcialmente. Em Vitória da Conquista os ônibus sequer circularam.

Desde a semana passada, os shows também foram cancelados. De sexta até hoje, 17 eventos – entre shows, peça teatral e ensaios de carnaval foram adiados, como da peça ‘7 Contos’, do ator Luiz Miranda, o ensaio do Ilê Aiyê, show do Cerveja e Cia, com Ivete Sangalo.

Turismo

O trade turístico também foi afetado. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem (ABAVBA), Pedro Galvão, as operadoras de viagem de São Paulo e do Rio de Janeiro já estão redirecionando os pacotes por conta da greve. A redução já chega a 10%. Para ele, a situação pode ficar ainda pior se a greve persistir. “Até o próximo final de semana esse percentual pode chegar a 30%”, assinalou.

“Turismo gera renda e emprego, esse é um prejuízo para toda a sociedade. Queremos que as partes se sensibilizem para a situação. Esse movimento [greve] tem que acabar”, ressalta Galvão. Ele confidenciou, ainda, que a Abav lança nesta terça (7) um manifesto cujo objetivo é chamar a atenção das autoridades e alertar para os perigos da greve da PM.

A situação chegou a tal nível que nas redes sociais já está se propagando boato de que o carnaval vai ter a data adiada. Para conter a boataria e o prejuízo que isso acarreta, a Empresa Salvador Turismo (Saltur) emitiu nota reafirmando que a maior festa popular vai acontecer.

“Até o momento está mantida a programação do carnaval, estamos trabalhando normalmente diante, inclusive, das declarações do governador Jaques Wagner ontem e do comandante da Polícia Militar hoje. Estamos mantendo a execução do planejamento, a programação oficial foi divulgada hoje no portal do carnaval e todas estruturas para a festa estão sendo montadas dentro do cronograma”, disse o presidente da Saltur, Cláudio Tinoco.

A embaixada dos Estados Unidos, por meio de um comunicado, alerta os cidadãos americanos para a greve da Polícia Militar na Bahia e sugere que as pessoas adiem viagens para o Estado .

O carnaval acontece entre os dias 16 e 21 de fevereiro e tem como tema "O país do Carnaval", em homenagem aos 100 anos de Jorge Amado que completaria este ano.


    Leia tudo sobre: greve pmturismoaulascarnaval

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG