Mais de 5 mil protestam no DF e invadem o Congresso Nacional

Por Nivaldo Souza - iG Brasília | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Manifestantes romperam o bloqueio policial e subiram na marquise do Congresso; dois foram detidos

Em Brasília, mais de 5 mil pessoas, na sua maioria estudantes, deram início nesta segunda-feira por volta das 17h a partir do Museu Nacional, na Esplanada dos Ministérios, a um protesto convocado nas redes sociais. O grupo seguiu para a frente do Congresso Nacional e a polícia perdeu o controle pouco depois das 19h, quando eles conseguiram subir no teto do Senado. Foi um corre-corre, mas o protesto se manteve pacífico. Em seguida, com o acesso liberado, os jovens passaram a subir e descer a rampa, tranquilamente, ao lado dos policiais, e alguns ficaram sentados no teto do Senado. Eles desceram após cinco horas.

Leia mais sobre os protestos do fim de semana no DF:

'Sou do rock e vim protestar', diz manifestante em Brasília

PM joga spray de pimenta no olho de menor de idade durante protesto 

Veja como foi a ação da Polícia Militar contra os manifestantes no DF

PM usa bomba de gás e bala de borracha contra protesto em frente a estádio no DF

Agência Brasil
Manifestantes furam o bloqueio da polícia e chegam ao topo do Congresso Nacional


Às 18h, quando chegaram em frente ao Congresso, os manifestantes ocuparam o canteiro central e gritavam: "E aí, Dilma, cadê você?." Às 18h30, a manifestação começou a ficar tensa. Alguns furaram a barreira policial e subiram a rampa do Congresso, de onde foram tirados à força. Os manifestantes entraram no espelho d’água e, atingidos por spray de pimenta, revidaram com água.

Por ordem da Polícia Legislativa, as luzes internas do Congresso Nacional foram desligadas e jornalistas e servidores passaram a trabalhar às escuras. Segundo informações de funcionários da Câmara, o objetivo é dificultar a ação dos manifestantes, que quebraram o vidro de uma das janelas da sala da primeira vice-presidência e podem invadir o interior do prédio.


A Marcha do Vinagre, como ficou conhecido o ato, também protesta contra a PEC 37, que retira o poder de investigação do Ministério Público, contra o projeto de lei sobre terrorismo, contra a construção do estádio de Brasília e contra a deterioração do transporte público e da saúde no Distrito Federal. A página no Facebook tinha mais de 14 mil confirmações.

Quem fez a convocação foi Jimmy Lima, de 17 anos, estudante do 3º ano do Ensino Médio. “A gente começou por conta da Copa e cresceu por causa do que a gente viu em São Paulo”, disse o estudante ao se referir à repressão policial na capital paulista durante o quarto protesto do Movimento Passe Livre.

Manifestantes furam o bloqueio policial sobem a rampa do Congresso Nacional e chegam ao teto do Senado Federal. Foto: Agência BrasilManifestantes furam o bloqueio da polícia e chegam ao topo do Congresso Nacional. Foto: Agência BrasilManifestantes protestam em frente ao Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaManifestantes chegam ao topo do Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG BrasíliaMais de 5 mil protestaram em Brasília e marcharam até o Congresso Nacional. Foto: Nivaldo Souza/iG Brasília


Segundo o coronel Gouveia, da PM do DF, 400 homens entre policiais, cavalaria e Tropa de Choque acompanham o protesto. Ele disse que acertou com os manifestantes que não haverá fechamento de via e que a marcha seguirá até o Congresso Nacional. Segundo a polícia, a marcha reuniu cerca de 1.500 pessoas.

Um dos participantes do protesto é o veterinário Rodrigo Montezuma, de 44 anos, também estudante de direito. Ele disse que acompanha a filha, de 21 anos, e foi com ela esta tarde a uma reunião com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

Carvalho abriu diálogo com os manifestantes que participaram do protesto de sábado após a ação da polícia, que atirou balas de borracha e bombas de gás em frente ao Mané Garrincha na estreia do Brasil na Copa das Confederações. “O ministro garantiu que ia ligar para o Agnelo (Queiroz, governador do DF) para moderar na contenção da manifestação de hoje”, afirmou Montezuma.

Ele disse ainda que conversou com a OAB do DF, que prometeu dar um respaldo jurídico caso os manifestantes precisem. No último sábado, foram realizadas 29 detenções e, entre os presos, estavam dez menores de idade. “É um absurdo num país democrático como o Brasil tratar manifestante na bala de borracha. Eu fui falar com o ministro e com a OAB como pai que também participa das manifestações e incentiva a filha a participar”, disse Montezuma.

Leia tudo sobre: dfbrasíliaprotestomarcha do vinagre1anodemanifestacoes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas