Americanos prestam homenagens às quase 3 mil vítimas de atentados terroristas que chocaram o país em 2001

Americanos fizeram um minuto de silêncio nesta terça-feira para marcar os 11 anos dos ataques de 11 de Setembro , que deixaram quase 3 mil mortos nos EUA.

Como em anos anteriores, uma multidão se reuniu no Marco Zero, local onde ficava o World Trade Center em Nova York, na sede do Pentágono e em Shanksville, na Pensilvânia, onde caíram os aviões sequestrados por terroristas.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre o 11 de Setembro

Vídeo: Veja imagens dos ataques de 11 de Setembro

Infográfico: Veja cronologia dos ataques do 11 de Setembro

Antes e depois: Compare imagens antes e depois da reconstrução

Americanos prestam homenagem às vítimas do 11 de Setembro durante cerimônia no Marco Zero em Nova York
AP
Americanos prestam homenagem às vítimas do 11 de Setembro durante cerimônia no Marco Zero em Nova York

O minuto de silêncio foi feito às 8h46 no horário local, exato momento em que o primeiro avião bateu na torre norte do World Trade Center. O ritual se repete nas horas exatas dos impactos dos demais aviões - 9h03, 9h37 e 10h03 - e nos momentos em que as torres desmoronaram - 9h59 e 10h28.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a primeira-dama, Michelle, fizeram a homenagem no jardim da Casa Branca e depois visitaram o Pentágono. "Nosso país está mais seguro e nosso povo, resiliente", afirmou o líder.

Em Nova York, familiares de vítimas deram início ao ritual triste e solene de ler os nomes de todas as vítimas dos ataques. Em anos anteriores, presidentes, governadores e prefeitos de Nova York, entre outros políticos, participaram da leitura dos nomes das vítimas ou de passagens bíblicas e literárias no Marco Zero. Neste ano, apenas as famílias subiram ao palanque. 

Acordo sobre museu

Na segundafeira, um acordo foi alcançado para a retomada da construção do Museu Nacional do 11 de Setembro em Nova York, disse o prefeito Michael Bloomberg.

Uma disputa a respeito dos custos entre a fundação que controla o museu e a Autoridade Portuária de Nova York e Nova Jersey, que está construindo a ambiciosa estrutura subterrânea, interrompeu a construção do projeto por meses.

"Estou muito grato que na véspera deste importante aniversário podemos anunciar um acordo que irá garantir a conclusão no museu do 11 de Setembro", afirmou um comunicado de Bloomberg. "Minha meta durante este período tem sido reiniciar a construção do museu. Este acordo garante que será recomeçada em breve e não irá parar até que ele esteja finalizado", acrescentou.

O museu terá sete níveis no subsolo e irá incluir artefatos do dia dos ataques, desde capacetes de bombeiros à peças de borracha e maquetes do local antes do atentado. 

Bloomberg preside a fundação Nacional do Memorial e Museu do 11 de Setembro. A Autoridade Portuária é controlada pelo governadores de Nova York, Andrew Cuomo, e de Nova Jersey, Chris Christie. Sob o acordo, representantes dos três irão participar de um comitê que supervisiona eventos anuais, incluindo a cerimônia desta terça-feira.

Também pelo acordo, as obrigações de custos da Autoridade Portuária serão reduzidas em mais de US$ 150 milhões. A construção do museu, porém, deve começar logo e continuará sem parar até ser concluída. Estima-se que o projeto leve mais de um ano.

Com AP e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.