Tamanho do texto

Eleitores voltam às urnas para uma nova rodada de votação que expõe tensão entre Irmandade Muçulmana e salafistas

Centenas de egípcios voltaram às urnas nesta segunda-feira para o segundo turno da eleição parlamentar por distritos, a primeira desde a queda do ex-presidente Hosni Mubarak em fevereiro. Na nova rodada de votação, o partido da Irmandade Muçulmana tentará ampliar sua vantagem sobre a coalizão salafista e partidos liberais.

Pelo sistema eleitoral egípcio, a votação ocorre em dois turnos: um para escolha de candidatos distritais e outro para votação em listas de indicados por cada partido. A primeira eleição livre do Egito em seis décadas será realizada ao longo de seis semanas, até o final de janeiro, e é parte de uma prolongada transição para o regime civil, que terminará com uma eleição presidencial em junho e com a posse de um novo presidente em julho.

Leia também: Partidos islâmicos saem à frente em eleição parlamentar

Mulheres votam no 2º turno da eleição em Nasr City, um bairro do Cairo
AP
Mulheres votam no 2º turno da eleição em Nasr City, um bairro do Cairo

O Partido Liberdade e Justiça (PLJ), da Irmandade Muçulmana, deve formar a maior bancada no Parlamento, o que pode criar uma disputa entre o grupo religioso e as Forças Armadas, que comandam o país desde a queda de Mubarak.

O maior adversário do PLJ é o ultraconservador Al Nour, uma coligação formada por muçulmanos salafistas. O segundo turno entre candidatos desses dois partidos deve ser especialmente acirrado em alguns distritos de Alexandria, segunda maior cidade do país.

A ascensão do Al Nour desperta temores entre muitos egípcios por causa da insistência dos salafistas quanto à ideia de que a sharia (lei islâmica) deve governar todos os aspectos da sociedade. A Irmandade, mais pragmática, dificilmente irá se aliar aos salafistas.

As eleições desta segunda-feira mostraram a grande tensão entre os dois grupos. Em Assiut, sul do país, partidários do Gamaa Islamiya, um dos partidos que integram o Al Nour, atacaram e perseguiram funcionários da campanha da Irmandade Muçulmana que estavam em frente a um colégio de votação.

A Irmandade também afirmou que um de seus candidatos recebeu ameaças de morte e que um clérigo foi espancado por funcionários da campanha do Gamaa Islamiya.

O comparecimento às urnas era baixo na manhã desta segunda-feira no Cairo, em Alexandria e em Port Said, contrastando com as grandes filas que se formaram logo após a abertura das urnas na primeira etapa da eleição, realizada na segunda e terça-feira da semana passada. O comparecimento, então, foi de 62% do eleitorado.

Adversários acusam a Irmandade de violar a proibição da campanha de boca de urna, e de ter distribuído comida e remédios em troca de votos. O comitê eleitoral egípcio citou falhas como atrasos na abertura das seções ou na chegada das cédulas, e campanha dentro das seções eleitorais. Mas as autoridades disseram que isso não invalidava a votação, e que não irá se repetir nas próximas etapas.

Em Alexandria, cabos eleitorais do Al Nour começaram a distribuir panfletos em frente a uma escola onde havia votação, mas um militar pediu que o grupo se afastasse.

Cifras divulgadas pela comissão eleitoral mostraram que a lista do PJL teve 36,6% dos votos válidos na votação por listas partidárias na semana passada. O Al Nour veio em seguida, com 24,4%, e o liberal Bloco Egípcio ficou em terceiro, com 13,4 %.

Com AP e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.