Tamanho do texto

Líder dos EUA desafia legisladores a ver 'qual mensagem enviaremos a ditador' após suposto ataque químico

Em uma decisão surpreendente, o presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou neste sábado que buscará autorização do Congresso para retaliar ao suposto uso de armas químicas lançado pelo regime de Bashar al-Assad contra rebeldes nos arredores de Damasco no dia 21.

Putin: Presidente da Rússia desafia EUA a apresentar à ONU provas sobre Síria

Presidente dos EUA, Barack Obama, faz pronunciamento sobre Síria na Casa Branca
AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, faz pronunciamento sobre Síria na Casa Branca

Obama: Ataque químico da Síria é ameaça ao mundo e aos interesses dos EUA

EUA: Ataque químico da Síria deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças

Em pronunciamento na Casa Branca, o líder americano afirmou que, apesar de ter a autoridade para tomar essa decisão sozinho e acreditar que os EUA deveriam retaliar, é importante fazer um debate e uma votação no Congresso. O legisladores voltam do recesso em 9 de setembro.

Obama tomou a decisão apesar de, na quinta-feira, o Parlamento britânico ter rejeitado o pedido do prêmie David Cameron para que autorizasse uma ação militar.

O líder americano disse esperar que o Congresso endosse sua decisão de lançar um ataque. "Não podemos fingir que não vimos o que aconteceu na Síria", afirmou Obama, reiterando que uma ação é necessária pelo fato de Damasco ter descumprido normas internacionais sobre armas químicas.

Leia: Saiba os principais pontos de relatório dos EUA sobre o ataque químico

Ele também desafiou os legisladores a considerar "qual mensagem enviaremos a um ditador" se ele tiver a permissão de matar centenas de crianças com armas químicas sem sofrer nenhuma retaliação.

Na sexta-feira, os EUA divulgaram um relatório de inteligência afirmando que o ataque químico lançado pela Síria deixou 1.429 mortos , incluindo 426 crianças. O governo sírio nega ter realizado a ação e responsabiliza os rebeldes que há mais de dois anos e meio tentam depor o regime.

ONU: Inspetores deixam Síria com amostras de suposto ataque químico

Reprodução de vídeo mostra membros da equipe de investigações da ONU coletando amostras em Zamalka, subúrbio de Damasco (30/8)
AP
Reprodução de vídeo mostra membros da equipe de investigações da ONU coletando amostras em Zamalka, subúrbio de Damasco (30/8)

Dia 21: Oposição síria acusa governo de matar centenas em ataque químico

Para Obama, o ataque químico é uma ameaça ao mundo e aos interesses dos EUA na região, afirmando que o uso de armamento não convencional pela Síria ameaça Israel e Jordânia - aliados americanos no Oriente Médio. Obama reiterou que qualquer ação militar contra a Síria seria limitada em duração e forte para deter quaiquer novos ataques químicos.

O pronunciamento de Obama foi feito no mesmo dia em que inspetores da ONU, que investigavam o suposto uso de armas químicas, deixaram a Síria . Eles já chegaram à Holanda, onde entregaram as amostras coletadas durante quatro inspeções no país árabe à Organização para Prevenção de Armas Químicas, em Haia.

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

A ONU afirmou que seus inspetores realizaram uma ampla atividade de verificação de fatos, mas seu mandato é limitado à determinação de se armas químicas foram usadas ou não, e não sobre quem é o responsável.

Desafio russo

Previamente ao pronunciamento de Obama, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, desafiou os EUA a apresentar à ONU as provas de que a Síria era responsável pelo ataque. Putin afirmou que "não fazia nenhum sentido" o governo sírio provocar seus oponentes com ataques desse tipo.

Veja imagens da guerra na Síria desde o início deste ano:

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

"Se há provas, deveriam ser mostradas. Se elas não são mostradas, não existem", disse, acrescentando que o fracasso americano em expô-las à comunidade internacional era "simplesmente um desrespeito".

Aliado-chave da Síria, a Rússia também alertou que "qualquer ação militar unilateral ignorando o Conselho de Segurança da ONU" seria uma "violação direta do direito internacional".

Alerta: Assad diz que eventual intervenção militar dos EUA fracassaria na Síria

Falando de Vladivostok, no leste da Rússia, Putin conclamou Obama, como um ganhador do Nobel da Paz, a pensar sobre as vítimas futuras da Síria antes de recorrer ao uso da força. Ele também disse que era ridículo sugerir que Damasco seria o responsável pelo ataque, classificando-o de uma "provocação daqueles que querem arrastar outros países ao conflito sírio".

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química que teria sido usada na Síria

"As tropas do governo sírio estão na ofensiva e cercaram a oposição em várias regiões", disse. "Nessas condições, dar uma vantagem àqueles que pedem uma intervenção militar é totalmente sem sentido."

*Com BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.