Tamanho do texto

Advogados de defesa não concordaram com a realização de sessão sem a presença de todos os acusados

Os acusados de envolvimento no chamado mensalão mineiro - suposto esquema de desvio de recursos públicos durante a campanha, em 1998, do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB), hoje deputado federal - ganharam um tempo extra. O início das audiências para ouvir testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público, marcado para esta quarta-feira (26), foi adiado para 24 de fevereiro. A manobra foi possível porque os advogados de defesa não concordaram com a realização da audiência sem as presenças de todos os acusados.

OBrito News
Marcos Valério, acusado de envolvimento com o mensalão mineiro
Dos dez acusados, apenas quatro estiveram no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte. São eles: Marcos Valério (publicitário suspeito de operar o esquema), Cláudio Mourão (coordenador financeiro da campanha de Azeredo em 1998) e Fernando Moreira Soares e Lauro Wilson de Lima, ambos diretores de empresas públicas de Minas. Os acusados ausentes foram Walfrido dos Mares Guia Neto (vice-governador de Azeredo e ex-ministro do governo Lula), Ramon Hollerbach e Cristiano de Melo Paz (sócios de Marcos Valério), Eduardo Pereira Guedes (secretário de Comunicação de Azeredo, em 1998), além de Renato Cordeiro e José Afonso Bicalho Beltrão da Silva (integrantes do governo Azeredo).

Marcos Valério não quis ser fotografado e a imprensa não teve acesso aos acusados. Advogado de Marcos Valério, Marcelo Leonardo diz que o adiamento "não faz diferença". Ele informa ainda que há oito testemunhas arroladas pelo Ministério Público residentes fora de Minas Gerais.

O deputado federal Eduardo Azeredo também é réu no processo. Por causa do foro privilegiado em decorrência do mandato, o processo dele foi desmembrado e corre no Supremo Tribunal Federal (STF). No próximo dia 17 haverá audiência. Outro réu parlamentar e com processo desmembrado é o senador Clésio Andrade (PR), que assumiu a cadeira deixada por Eliseu Resende (DEM), morto no último dia 2.

De acordo com informações da assessoria de Imprensa do Fórum Lafayette, os acusados que faltaram à audiência não foram encontrados na ocasião de suas intimações judiciais. As audiências do mensalão mineiro são de competência da 9.ª Vara Criminal de Belo Horizonte (MG).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.