Lista de presos inclui indicados por Marta e líder do PMDB

Ex-presidente da Embratur foi chefe de gabinete de Marta Suplicy. Secretário-executivo é indicação de Henrique Alves

Adriano Ceolin, iG Brasília | 09/08/2011 11:07 - Atualizada às 15:45

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Preso na operação da Polícia Federal sobre irregularidades no Ministério do Turismo, o secretário-executivo Frederico Silva da Costa chegou à pasta por indicação do ex-ministro Walfrido dos Mares Guia, que é um dos réus do processo do “mensalão”. Ele tornou-se o número 2 do Turismo com o apoio do líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). Também preso, o ex-presidente da Embratur Mário Moyses foi chefe de gabinete da senadora Marta Suplicy.

Foto: AE

Secretário-executivo da pasta, Costa é um dos alvos de 38 mandados de prisão da operação

Senadora pelo PT de São Paulo e pré-candidata à prefeitura paulistana, Marta foi ministra do Turismo entre março de 2006 e junho de 2007. Ele conseguiu indicar o sucessor, Luiz Barreto Filho, que ficou no cargo até dezembro passado. Nos últimos meses de administração de Barreto, Moysés acumulou as funções de presidente da Embratur e secretário-executivo do Turismo.

Procurada, Marta Suplicy disse que não iria se manifestar sobre a prisão de Moysés pela PF. Depois de participar de solenidade no Palácio do Planalto, a senadora conversou com a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais). Marta tem dito que o caso envolvendo Moysés é de 2009, quando ela não estava mais à frente da pasta do Turismo.

Frederico ascendeu na pasta por intermédio de Walfrido dos Mares Guia. Ele foi o primeiro ministro do Turismo, em 2003, no começo do primeiro mandato do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar do vínculo com Walfrido que era do PTB, ele ganhou apoio peemedebista para chegar ao posto de número 2 da pasta este ano.

Segundo a Polícia Federal, Frederico e Moyses são dois dos presos da Operação Voucher que executa 38 mandados de prisão em São Paulo, Brasília e no Amapá. Pelas informações iniciais, havia um esquema de fraudes e desvio de recursos do Orçamento envolvendo emendas parlamentares e convênio para projeto na área de capacitação profissional.

Como a coluna Poder Online adiantou, em janeiro deste ano a presidenta Dilma Rousseff já estava irritada com suspeitas envolvendo Frederico no Turismo. Segundo o iG apurou, ele mora numa mansão no Lago Sul onde costumava realizar festas com uísque, vinho e champagne caríssimos.

Dilma também não tem uma boa relação com o próprio ministro do Turismo, Pedro Novais. Ele chegou ao cargo por indicação de Henrique Eduardo Alves e o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Até agora, Novais teve apenas uma audiência privada com a presidenta.

Texto:
enviar por e-mail
* campos são obrigatórios
corrigir
* campos obrigatórios

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG


Ver de novo