Tamanho do texto

Presidenta tem resistido demitir ministro para não perder margem de manobra na reforma ministerial do início de 2012

A presidenta Dilma Rousseff manteve Carlos Lupi no cargo de ministro do Trabalho nesta quinta-feira, mesmo com recomendação da Comissão de Ética da Presidência da República de exonerá-lo do posto em meio a denúncias de irregularidades na pasta e contra ele.

Dilma tem resistido a demitir Lupi para não perder mais margem de manobra na reforma ministerial esperada para o início de 2012. Se substituísse Lupi agora, a presidente sofreria pressão para manter um nome indicado pelo partido do ministro, o PDT, na pasta.

Lupi tem conseguido se manter no cargo apesar de diversas denúncias
AE
Lupi tem conseguido se manter no cargo apesar de diversas denúncias

Lupi tem conseguido se manter no cargo apesar de diversas denúncias, mas sofreu um forte revés na quarta-feira, quando a Comissão de Ética Pública decidiu recomendar à Dilma a exoneração do ministro por ter considerado desvio de ética do ministro os casos de irregularidades de convênios e cobrança de propina no Ministério do Trabalho, divulgados pela imprensa.

Segundo o grupo, as explicações dele ao Congresso e à própria comissão foram "não satisfatórias" e "inconvenientes".

A permanência de Lupi foi acertada após reunião entre ele e Dilma pela manhã desta quinta e foi definida mesmo com a publicação de nova denúncia envolvendo o ministro.

Na reunião, Dilma afirmou que pedirá à Comissão de Ética "os elementos que embasaram a decisão e a sugestão" de exoneração de Lupi, informou a Presidência da República.

O próprio Lupi também pedirá uma explicação sobre as bases da decisão da comissão, inclusive a ata e a degravação, e pedirá uma reconsideração da sugestão.

A manobra de manter Lupi, no entanto, pode afetar a imagem de Dilma, que tem se esforçado na mensagem de ser menos tolerante com o que considera "malfeitos". Desde junho, cinco ministros deixaram o governo diante de denúncias de irregularidades.

Fato novo, denúncia nova

O presidente da Comissão, Sepúlveda Pertence, disse que o pedido de Dilma "é um fato novo" e que não iria se manifestar. Questionado se era possível haver uma reunião extraordinária para analisar o pedido da presidente, ele disse à Reuters que "pode ser que sim".

O próximo encontro da comissão está marcado para janeiro, mas as explicações pedidas por Dilma não exigem uma reunião formal do grupo para um posicionamento.

Nesta quinta-feira, reportagem do jornal Folha de S.Paulo apontou que Lupi teria acumulado por cinco anos dois cargos de assessor parlamentar em dois diferentes órgãos públicos - a Câmara dos Deputados, em Brasília, e a Câmara Municipal, no Rio de Janeiro.

Sobre a nova denúncia, Lupi disse à Dilma que irá apresentar explicações, segundo a Presidência.

Antes, o Ministério do Trabalho já havia sido alvo de denúncias de um suposto esquema de cobrança de propina de organizações não-governamentais (ONGs) conveniadas com a pasta, num esquema que serviria para abastecer o caixa do PDT.

O ministro também foi acusado de ter pegado "carona" em avião providenciado por um empresário e dirigente de ONG, que meses depois assinou convênios com o ministério. Ele também foi acusado de ter sido funcionário fantasma da Câmara por quase seis anos.

Desde junho, seis ministros deixaram o governo Dilma, cinco deles saíram em meio a denúncias de irregularidades - Antonio Palocci (Casa Civil), Alfredo Nascimento (Transportes), Wagner Rossi (Agricultura), Pedro Novais (Turismo) e Orlando Silva (Esporte).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.