Tamanho do texto

Pega de surpresa por operação da Polícia Federal, presidenta convidou ministros mais próximos para almoço

Em meio aos desdobramentos da operação comandada pela Polícia Federal no Ministério do Turismo, a presidenta Dilma Rousseff chamou ministros mais próximos para discutir o assunto durante um almoço no Palácio do Alvorada Segundo um ministro ouvido pela Reuters, a presidenta ficou "surpresa" ao saber da Operação Voucher, que executou na manhã desta terça-feira 38 mandados de prisão, entre eles um contra o secretário-executivo da pasta, Frederico Silva da Costa.

Governo manifestou apoio ao ministro Pedro Novais, em meio a operação da PF
Agência Estado
Governo manifestou apoio ao ministro Pedro Novais, em meio a operação da PF
A Polícia Federal investiga desvio de recursos da pasta por meio de emendas parlamentares e cumpre 19 mandatos de prisão preventiva, 19 de prisão temporária e sete  de busca e apreensão em São Paulo, Amapá e no Distrito Federal.

O ministro do Turismo Pedro Novais conversou com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e se colocou à disposição para prestar as explicações necessárias. Por meio da assessoria, Gleisi informou que "não há nada que afete o ministro e ele está junto com o governo buscando informações".

A operação deflagrada hoje abre mais abre mais um escândalo no governo Dilma. Depois de assistir à saída do ex-chefe da Casa Civil Antonio Palocci, denúncias envolvendo a pasta dos Transportes levaram à saída do então ministro Alfredo Nascimento, e acusações de corrupção foram lançadas também no Ministério da Agricultura, derrubando o secretário-executivo da pasta, Milton Ortolan.

O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), queixou-se dos procedimentos da Polícia Federal e disse que a Justiça cometeu "um abuso" ao acatar o pedido de prisão de Martins.

Em defesa do aliado, Alves argumentou que o convênio que é alvo de investigação da PF foi assinado em 2009, que não teria sido alvo de investigação da Controladoria-Geral da União (CGU), e que Colbert estava há seis meses na pasta.

"Colbert deu andamento ao que foi aprovado. Está preso o rapaz. É um Estado democrático, não pode ser assim, não foi ouvido, não foi chamado, nunca foi questionado e de repente seus familiares vendo ele preso. A Polícia Federal está cumprindo ordem judicial e acho que o abuso aconteceu aí", disse.

*Com informações da Reuters