Médicos de Bolsonaro descartam cirurgia após primeiros exames em São Paulo

Presidente foi levado de madrugada ao Hospital das Forças Armadas, em Brasília, após ter sentido dores no abdômen

Jair Bolsonaro (sem partido)
Foto: Reprodução/Governo Federal
Jair Bolsonaro (sem partido)

Médicos do Hospital Vila Nova Star informaram na noite desta quarta-feira que o presidente Jair Bolsonaro  (sem partido) está sendo submetido a um "tratamento clínico conservador". Na prática, isso significa que ele não será operado neste momento.

Especialistas no sistema digestivo costumam usar essa expressão para uma abordagem clínica em que o intestino do paciente é deixado em repouso com uma sonda naso-gástrica. Durante o repouso, ele receberá hidratação. Caso o tratamento não seja suficiente para resolver a obstrução intestinal, ele pode passar por uma cirurgia.

Bolsonaro chegou por volta das 19h30 ao Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo.  Na madrugada desta quarta-feira, Bolsonaro deu entrada no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, onde foi constatada uma obstrução intestinal. Segundo boletim médico, é decorrente da facada que ele levou durante a campanha presidencial de 2018. 

A transferência ocorreu após o  cirurgião Antonio Luiz de Macedo, que operou o presidente em 2018 após a facada, ter constatado uma obstrução intestinal. Bolsonaro foi levado na madrugada desta quarta para o HFA, em Brasília, após ter sentido dores no abdômen. Há mais de dez dias ele vinha reclamando de soluços persistentes.

O agravamento do problema

  • 5 de julho

Em conversa com apoiadores no Alvorada, Bolsonaro reclamou do soluço pela primeira vez. Ele disse que o problema poderia ser fruto de uma cirurgia dentária no dia 3 de julho.

  • 7 de julho

Em entrevista à Rádio Guaíba, o presidente voltou a se queixar do problema. "Estou com soluço há cinco dias. Fiz uma cirurgia para implante dentário no sábado. Talvez em função dos remédios que estou tomando, estou 24 horas por dia com soluço".

  • 8 de julho

Durante a transmissão ao vivo semanal, Bolsonaro pediu desculpas e afirmou que talvez não conseguisse se "expressar adequadamente" em função das crises.

  • 12 de julho

Após reunião no Supremo Tribunal Federal, o presidente deu entrevista a jornalistas, e os soluços permaneciam.

Você viu?

  • 13 de julho

Ao chegar no Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou a apoiadores que estava sem voz e que continuava com crises de soluço.

  • 14 de julho

Após sentir dores abdominais na madrugada, o presidente é internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, para investigar a causa do soluço

Intubado por precaução

No Telegram, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) afirmou que Bolsonaro está em São Paulo por "precaução" e em poucos dias voltará ao trabalho. Em entrevista à Rádio Jovem Pan, o senador disse que o presidente chegou a ser intubado, no hospital em Brasília, por precaução.  O objetivo era evitar que o presidente aspirasse líquidos do estômago.

O filho mais velho do presidente disse ainda que conversou com o médico, que disse que a família poderia ficar calma e que não há nada mais grave acontecendo . Flávio disse que chegou a falar com o pai, mas que ele ainda estava se recuperava da sedação para o exame da endoscopia. O senador disse que o presidente deve ficar três dias de observação no hospital em São Paulo para ver se haverá necessidade de um procedimento cirúrgico. 

"O que estou sabendo é uma pequena obstrução no intestino dele. Também foi preciso retirar uma pequena quantidade de líquido do estômago, talvez essa seria a razão de ele estar tossindo tanto e com tanto soluço. A informação médica que eu tenho é que está tudo sob controle,  o presidente está bem. É só uma precaução para ficar monitorando de mais perto", disse Flávio, em entrevista à imprensa.

Presidente reclamou de soluços

Bolsonaro tem se queixado há mais de uma semana dos soluços, que, segundo ele, pode ter sido causado por remédios que ele tomou. 

A situação, que tem ficado em evidência durante entrevistas e discursos do presidente, chamou a atenção na internet: os termos "soluço" e "passa mal" estiveram entre as principais pesquisas relacionadas ao nome de Bolsonaro nos últimos sete dias, de acordo com a ferramenta Google Trends.

Bolsonaro demonstrou incômodo pela primeira vez no dia 5, quando, em sua tradicional conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, disse que estava falando pouco por ter feito dois implantes dentários no sábado anterior. Dias depois, durante uma entrevista na quarta-feira da semana passada, o presidente explicou que estava com soluço e afirmou que acreditava que a causa eram remédios:

"Estou com soluço há cinco dias. Fiz uma cirurgia para implante dentário no sábado. Talvez em função dos remédios que eu estou tomando, estou 24h por dia com soluço", disse ele, em entrevista à rádio Guaíba.