Foto do logotipo da Polícia Federal em carro oficial
Agência Brasil
Nos últimos dias, o presidente Bolsonaro tem sido alvo de acusações de interferência na Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) informou neste domingo (17) que a instaurou um novo procedimento para investigar as denúncias feitas pelo empresário e ex-aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) Paulo Marinho de que o filho dele, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), teria recebido informações antecipadas de um delegado da organização dizendo que ele seria um dos alvos de uma operação que ainda seria deflagrada.

Leia a íntegra da nota da Polícia Federal ao final da matéria.

Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, do jornal  Folha de S. Paulo , Marinho, que hoje é suplente de Flávio no Senado, disse que o objetivo do aviso foi evitar que a operação prejudicasse a campanha presidencial de Bolsonaro em 2018.

Leia também: PF sabia de operações de Queiroz antes da eleição de 2018, diz relatório do Coaf

A operação citada por Marinho foi a da Furna da Onça, que investiga a prática de "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Essa prática corresponde à transferência de parte do salário dos funcionários de um parlamentar para a conta dele mesmo. Essas movimentações financeiras eram feitas em dinheiro vivo por Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio.

Neste domingo, O procurador-geral da República, Augusto Aras, também disse que iria analisar a denúncia contra Flávio.

Nota da Polícia Federal:

A Polícia Federal esclarece, em relação à matéria "PF antecipou a Flávio Bolsonaro que Queiroz seria alvo de operação", na edição on line da Folha de SP, na data de ontem (16/5), o que segue:

A Polícia Federal se notabilizou por sua atuação firme, isenta e imparcial no combate à criminalidade, dentro de suas atribuições legais e constitucionais.

A matéria jornalística em questão aponta a eventual atuação em fatos irregulares, de pessoa alegadamente identificada como policial federal, no bojo da denominada operação "Furna da Onça".

A referida operação policial foi deflagrada no Rio de Janeiro em 08/11/2018, tendo os respectivos mandados judiciais sido expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 2° Região, por representação do Ministério Público Federal, em 31/10/2018, portanto, poucos dias úteis antes da sua deflagração.

Esclarece-se, ainda, que notícia anterior, sobre suposto vazamento de informações na operação "Furna da Onça", foi regularmente investigada pela PF através do Inquérito Policial n° 01/2019, que encontra-se relatado.

Todas as notícias de eventual desvio de conduta devem ser apuradas e, nesse sentido, foi determinada, na data de hoje, a instauração de novo procedimento específico para a apuração dos fatos apontados.

    Veja Também

      Mostrar mais