Presidente Jair Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR
Presidente Jair Bolsonaro

Após o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, ter alegado que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na Polícia Federal (PF), parlamentares dos partidos Cidadania, PSB e PCdoB protocolaram, nesta sexta-feira (24) requerimentos de criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar essa possível interferência.

Leia também: No Whatsapp, Moro teria provas dos crimes que atribui a Bolsonaro

Os líderes do Cidadania, o deputado Arnaldo Jardim (SP), na Câmara, e a senadora Eliziane Gama (MA), no Senado, pediram uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar as afirmações de Moro e a possível tentativa de “obter informações privilegiadas sobre inquéritos e investigações” de Bolsonaro

“Tais revelações não podem passar sem a devida investigação pelo Poder Legislativo, considerada a função fiscalizadora dos atos do Poder Executivo”, afirmaram na solicitação. Para eles, as alegações de Moro foram “estarrecedoras” e se a interferência for comprovada seria possível enquadrá-la em crime de responsabilidade e de obstrução de Justiça.

Os deputados Aliel Machado (PSB-PR) e Orlando Silva (PCdoB-SP) também entraram com pedidos, mas para a criação de CPI . Na solicitação de Machado, ele afirma que “embaraçar investigação criminal”, ou ações da PF, “pode constituir crime”.

Leia também: Bolsonaro acusa Moro de fazer pressão por vaga no Supremo; ex-ministro nega

Como atualmente os parlamentares estão trabalhando remotamente, devido à pandemia de Covid-19, requerimentos, como esses que pedem a investigação de Bolsonaro , são cadastrados virtualmente e tem suas assinaturas recolhidas pela internet. Para criar uma CPMI é necessário a assinatura de 171 deputados e de 27 senadores. Já para CPI, apenas o apoio de 171 deputados.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários