PCdoB
Divulgação
PCdoB vai usar nome fantasia em 2020


O PCdoB não vai mudar de nome, mas vai adotar um "nome fantasia" durante as eleições de 2020. O partido pretende fazer campanhas pelo Brasil como "movimento 65", evitando, assim, usar o termo comunista, apontado em pesquisas internas como mal visto pela sociedade brasileira nos últimos anos.

Leia também: "Paulo Guedes entende mais de AI-5 do que de economia", diz deputada do PCdoB

Fundado como Partido Comunista do Brasil, o PCdoB chegou a realizar conferências e encomendar pesquisas de avaliação para uma troca de nome. Em princípio, porém, lideranças da sigla são contra.

O partido , bastante ligado ao PT desde a redemocratização, pretende adotar uma estratégia diferente nas eleições de 2020, brigando para conquistar prefeituras importantes do País. Candidata derrotada a vice-presidente nas últimas eleições, Manuela D´Ávila deve ser lançada a candidata a prefeita de Porto Alegre. A sigla ainda avalia outros nomes tidos como fortes para São Paulo, Rio de Janeiro e capitais nordestinas.

Leia também: PCdoB interrompe campanha com Manuela D'Ávila após episódio com hacker

Parte da liderança do PCdoB defende que o partido precisa ter um candidato próprio à presidência em 2022. Para tanto, a sigla pretende se distanciar de outros partidos de esquerda em que esteve aliado nas últimas décadas, sobretudo o PT. O nome do governador do Maranhão Flávio Dino é um dos cotados para ser cabeça de chapa.

Termo comunista em baixa

A adoção do nome fantasia "Movimento 65" para as eleições de 2020 é uma estratégia do PCdoB após pesquisas encomendadas pelo partido indicarem que o termo "comunista" é mal visto pelos brasileiros, sobretudo após 2016, quando aconteceu o impeachment de Dilma Rousseff.

Pela Constituição Federal, é proibido um partido político no Brasil fazer campanha para o comunismo. O texto, porém, permite que que as siglas tragam a ideologia política em seus nomes.

Criado em 1958 após uma dissidência do PCB, o PCdoB foi refundado em 1962 pelas mãos do então deputado João Amazonas, que foi presidente da sigla por 40 anos. Impedido de existir após o AI-2, o PCdoB manteve seu nome após a redemocratização, mas desde então não lançou candidato próprio à presidência.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários