Tamanho do texto

Relatório da Operação Spoofing apontou envolvimento direto de Gustavo Elias Santos na invasão dos aparelhos de autoridades

Agência Brasil

DJ Gustavo arrow-options
Reprodução/Youtube
Gustavo invadiu celulares de autoridades, entre elas do ministro Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol

Gustavo Elias Santos, conhecido como DJ Guto, teve o pedido de liberdade concedido após a homologação de delação premiada feita pelo juiz titular da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira.

O relatório final da Operação Spoofing, da Polícia Federal, foi divulgado nesta semana e apontou o envolvimento direto de Gustavo na invasão dos celulares do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, do procurador da República, Deltan Dallagnol, e de outros membros da esfera política e do poder público. O relatório indicia Gustavo por formação de quadrilha, invasão de dispositivo eletrônico e interceptação telemática.

Durante as buscas realizadas na casa de Gustavo, a PF localizou cerca de R$ 90 mil em dinheiro. Inicialmente, o DJ não soube explicar a origem, que disse agora ser fruto de transações on-line de criptomoedas.

Leia também: Suposto cúmplice de hacker diz ter sido alvo de violência psicológica da PF

Segundo a Defensoria Pública da União, que representa o acusado Danilo Marques — preso na primeira fase da operação —, um inquérito diferente investiga o envolvimento do DJ Guto e de Walter Delgatti Neto, conhecido como Vermelho, em lavagem de dinheiro, estelionato, obstrução de justiça e envolvimento com organizações criminosas.

Gustavo tem antecedentes criminais e já havia sido condenado pela Justiça. Ele tem passagens por roubo de veículos, posse de documentos adulterados e por portar réplicas de armas de fogo.

A reportagem entrou em contato com o advogado de Gustavo, Ariovaldo Moreira, mas não obteve retorno.