Tamanho do texto

"Se preso já impactava, solto impacta mais ainda. E impacta em São Paulo, para o Lula é uma questão de honra lançar uma chapa competitiva lá", disse o governador

lula e PT arrow-options
Ricardo Stuckert
Para o Lula é uma questão de honra lançar uma chapa competitiva em São Paulo. Foi lá em que ele sofreu sua pior derrota em 2016", diz Doria

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai impactar ainda mais o cenário eleitoral depois de ser colocado em liberdade, avalia o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) .

Em entrevista ao Estadão/Broadcast, Doria disse que para o petista é uma "questão de honra" lançar uma chapa competitiva para disputar a Prefeitura de São Paulo.

"Se preso já impactava, solto impacta mais ainda. E impacta em São Paulo, para o Lula é uma questão de honra lançar uma chapa competitiva lá. Foi lá em que ele sofreu sua pior derrota em 2016. A derrota acabou reverberando no segundo turno nas outras cidades. Então, vão fazer de tudo, com Lula liderando e o PT corroborando, para que as eleições nas capitais tenham candidatos competitivos e eles possam ter a esperança de vitória ", afirmou Doria neste sábado, em Brasília.

Doria não se coloca como pré-candidato ao Palácio do Planalto e defende o foco nas eleições municipais e na gestão eficiente de Estados e cidades como uma antecipação para as eleições gerais.

"Foco integral em gestão e eficiência: isso será determinante nas futuras eleições gerais. Porque experiência é importante. Não podemos ter em 2022 testes", disse Doria. Em 2016, o tucano foi eleito prefeito de São Paulo com discurso de que era um gestor e não um político.

Em meio aos burburinhos de que o governador de São Paulo não deve ser o único nome do PSDB para a disputa da presidência, Doria evitou falar sobre uma possível disputa interna com seu colega do Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite.

Mas, deixou claro que defende as prévias como uma ferramenta democrática. "Temos de defender o princípio e não os nomes. O PSDB é um partido que lançou as prévias", disse.

Em 2020, na capital paulista, ele prevê uma forte atuação do PT, liderada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para João Doria , um nome feminino seria "tecnicamente recomendável" para compor a chapa com o atual prefeito Bruno Covas. Ele já defendeu publicamente que a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) deveria ser candidato a vice.

    Leia tudo sobre: Lula