Tamanho do texto

Luiz Henrique Molição foi preso em agosto; processo de colaboração está em segredo de justiça e pode apontar os nomes de outros envolvidos no caso

HAcker arrow-options
Reprodução
Luiz Henrique foi preso na segunda fase da Operação Spoofing

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, mandou soltar Luiz Henrique Molição. Ele e outras pessoas são suspeitas de atuar em conjunto com o hacker Walter Delgatti Neto na invasão do aplicativo Telegram de autoridades públicas, incluindo do ministro da Justiça, Sergio Moro, e do procurador Deltan Dallagnol , coordenador da Lava-Jato . Mais cedo, Vallisney já havia homologado o acordo de delação de Molição.

Leia também: Fim da cota a trabalhador com deficiência é "volta ao século XX", diz deputado

Ele foi preso em 19 de agosto, durante a segunda fase da Operação Spoofing. Ele foi detido após a Polícia Federal (PF) ter encontrado um áudio em que ele conversava com o jornalista Glenn Greenwald, do site "The Intercept Brasil", sobre a divulgação do conteúdo do Telegram das autoridades.

O processo em que foi homologada a delação está em segredo de justiça. Não há informação ainda se o acordo foi feito com o Ministério Público Federal ( MPF ) ou com a PF .

Leia também: Renan Calheiros vira réu da Lava Jato pela primeira vez