Na lei atual, só casos de violência confirmados são notificados
Creative Commons
Na lei atual, só casos de violência confirmados são notificados

O presidente Jair Bolsonaro vetou nesta quinta-feira (10) uma lei que previa que hospitais tinham a obrigação de comunicar a polícia em casos de suspeitas de violência contra mulheres . De acordo com o jornal O Estado de São Paulo , o projeto determinava que o comunicado deveria ser feito até 24 horas depois de verficada a suspeita. Hoje a regra só vale apra casos confirmados.

Para justificar o veto, o governo disse que o projeto não passou "por contrariedade ao interesse público".

Leia também: Mulheres vítimas de violência terão prioridade na matrícula dos filhos

O projeto, de autoria da deputada federal Renata Abreu (PTN-SP), diz que "não existe por parte dos órgãos governamentais qualquer canal de comunicação entre hospitais e delegacias que mapeie de forma significativa as áreas com maior concentração de violência à mulher".

"A mulher agredida, por medo, deixa de registrar o boletim de ocorrência, porém, procura um hospital devido às lesões", diz o texto do projeto. "E, muitas vezes, não há conhecimento das Secretarias de Justiça do ocorrido, e tal estatística passa despercebido."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários