Uma das preocupações de Bolsonaro era não deixar o partido manter o controle total dos recursos do fundo partidário.
Alan Santos/PR
Uma das preocupações de Bolsonaro era não deixar o partido manter o controle total dos recursos do fundo partidário.

A  reforma eleitoral  sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro  no fim de setembro pode assegurar ao PSL uma fatia mais robusta do fundo eleitoral mesmo em caso de debanda de deputados. 

 Leia também: Por prefeituras, maioria dos deputados do PSL se mantém fiel a Bivar

O projeto aprovado na Câmara e no Senado , transformado na lei 13.877/2019 após a sanção de Bolsonaro, prevê que a grande maioria dos recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha sejam distribuídos proporcionalmente aos partidos de acordo com o número de deputados e senadores eleitos em 2018.

Agora, porém, o texto sancionado pelo próprio Bolsonaro afirma que 48% dos recursos serão divididos entre os partidos com base no número de representantes eleitos para a Câmara , sem considerar mudanças ao longo do mandato.

Você viu?

Outros 15% do fundo eleitoral serão divididos de acordo com os resultados da eleição ao Senado em 2018 e com o número de senadores que já cumpriam mandato por cada partido antes da última eleição.

Em reunião na quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro admitiu a deputados que buscava garantias jurídicas para que seus aliados o acompanhassem numa eventual debandada do PSL .

Leia também: Bolsonaro veta projeto que impõe prazo para notificar violência contra mulher

Uma das preocupações de Bolsonaro era não deixar o partido, presidido por seu desafeto Luciano Bivar  (PSL-PE), manter o controle total dos recursos do fundo partidário.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários