Tamanho do texto

Juiz deu prazo de 48 horas para que a Polícia Federal providencie as cópias pedidas ontem pelos ministros do Supremo Luiz Fux e Alexandre de Mores

ALEXANDRE DE MORAES arrow-options
Jonas Pereira/Agência Senado - 22.3.17
Alexandre de Moraes é relator do inquérito que apura fake news contra ministros do STF

A Justiça Federal recebeu nesta sexta-feira (2) o ofício do Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando cópia do inquérito da Operação Spoofing , sobre os hackers que invadiram o Telegram de autoridades públicas, e encaminhou o pedido diretamente para a Polícia Federal.

O ofício foi remetido pelo STF à 10ª Vara da Justiça Federal do DF. O juiz responsável pelo caso, Ricardo Leite, em seguida determinou que a PF cumpra a determinação em 48 horas . Com isso, o material deve ser enviado até a segunda-feira, de acordo com fontes do caso.

Duas decisões distintas tomadas pelo STF nesta quinta-feira determinaram a remessa do material à corte superior. A primeira foi do ministro Luiz Fux, em resposta a um pedido do PDT, que deu prazo de cinco dias. A segunda, do ministro Alexandre de Moraes como parte do  inquérito que investiga disseminação de fake news e ataques contra autoridades do STF, dando prazo de 48 horas. O prazo determinado por Ricardo Leite indica que o ofício recebido foi referente à decisão de Moraes.

Deflagrada no último dia 23, a Operação Spoofing da Polícia Federal  prendeu quatro pessoas suspeitas de envolvimento nos ataques ao Telegram das autoridades. Um dos alvos, Walter Delgatti Neto, admitiu ter realizado as invasões dos aplicativos do celular do ministro da Justiça Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol.

Na quinta-feira (1ª), o juiz Ricardo Leite converteu as prisões temporárias dos supostos hackers em preventivas (sem prazo definido). A PF está analisando o material apreendido com os investigados.

Leia também: Perícia da Polícia Federal conclui que hackers atacaram 1.162 telefones