Tamanho do texto

Documento obtido pela "Folha de S.Paulo" afirma que os doleiros Youssef e Nelma e o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto, foram gravados em 2014

Sede da PF em Curitiba arrow-options
André Richter / Agência Brasil
Escuta telefônica foi colocada de forma irregular em cela da Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba

Uma escuta telefônica instalada em uma cela da Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, no Paraná, gravou de forma irregular 260 horas de conversas de presos da Operação Lava Jato em 2014. A conclusão faz parte de um parecer feito pela própria PF em uma sindicância interna, revelado nesta sexta-feira (12) pelo jornal Folha de S.Paulo .

Leia também: Dallagnol trocou informações com relator da Lava Jato no TRF4, apontam mensagens

A denúncia foi feita, naquele ano, pelo doleiro Alberto Youssef, que encontrou o aparelho de gravação ao inspecionar sua cela na PF . Na época, cogitou-se que o aparelho estaria lá desde 2008, quando o traficante Fernandinho Beira-Mar ficou detido na mesma cela.

A gravação, segundo o parecer, também identificou as vozes da doleira Nelma Kodama, que trabalhava com Youssef, e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

Leia também: Em mensagens, Dallagnol celebrou encontro com ministro do STF: "Fachin é nosso"

Gravações consideradas ilegais já foram utilizadas por advogados para pedir a anulação de operações policiais, como a Satiagraha.

Em setembro de 2015, o analista de inteligência da PF Dalmey Fernando Werlang confirmou, em depoimento ao então juiz Sergio Moro, que instalou escutas na cela de Youssef às vésperas da primeira fase da Operação Lava Jato, em março de 2014.

Leia também: Faustão deu dicas para Moro e procuradores da Lava Jato, segundo vazamentos

Ele afirmou ter sido orientado por delegados da PF de Curitiba. Os policiais negaram relação com o caso.