Tamanho do texto

Esse é um dos critérios do Ministério da Justiça para a nova distribuição de recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública; veja o que é previsto

Moro arrow-options
Geraldo Magela/Agência Senado - 19.6.19
Banco de DNA é um dos carros-chefe do programa do ministro Sergio Moro para a Segurança Pública


Um a cada três estados brasileiros está aquém das metas estabelecidas pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública para coleta e inserção de dados na Rede Integrada de Perfis Genéticos (RIBPG), segundo informações da pasta.

Leia também: Senado aprova criminalização do caixa dois proposta por pacote anticrime de Moro

Carro-chefe do programa do ministro Sergio Moro, o preenchimento do banco nacional de DNA foi estabelecido como um dos critérios para que os estados recebam parte das verbas do Fundo Nacional de Segurança Pública .

O formato do rateio foi definido pelo ministério e pelo Colégio Nacional dos Secretários Estaduais de Segurança (Consesp).

Leia também: Grupo de trabalho na Câmara desidrata projeto anticrime de Moro

Segundo o ministério , seis estados — Alagoas, Espírito Santo, Mato Grosso, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe — não bateram integralmente as metas. Além deles, Piauí, Roraima e Tocantins ainda trabalham para ter laboratórios de coleta em pleno funcionamento, e só devem conseguir se integrar ao Banco Nacional de Perfis Genéticos em 2020.