Tamanho do texto

Ex-deputado federal foi às redes sociais para falar contra o vereador, que é filho do presidente Jair Bolsonaro; ele insinuou que Carlos seria homossexual

Jean Wyllys
Reprodução/TV Globo
Jean Wyllys provocou Carlos Bolsonaro nas redes sociais

O ex-deputado federal Jean Wyllys. que deixou o Brasil no início do ano ao relatar supostas ameaças de morte , foi ás redes sociais para provocar o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ). Em uma postagem, o ex-parlamentar insunuou que o segundo filho do presidente Jair Bolsonaro seria homossexual.

Leia também: Novo presidente do BNDES foi vizinho de Bolsonaro e é próximo de filhos

"O filho do presidente teve todas as chances e meios de enfrentar a homofobia do pai e ser uma bicha como eu sou - orgulhosa de mim, inteligente, ativista e honrada, disposta a lutar por justiça social - mas optou por ser essa vergonhosa fábrica de fake news homofóbicas", escreveu Jean Wyllys .

"Se essa bicha travada num armário vivesse sua homossexualidade com vergonha mas sem fazer danos à reputação de ninguém em função desta, eu jamais iria me referir à sua orientação sexual vivida com culpa e medo. Deixaria ela lá em seu armário, destruindo-se por dentro", continou o ex-parlamentar, que é filiado ao PSOL .

Após opositores apontarem que Jean estaria fazendo comentários homofóbicos ao provocar Carlos Bolsonaro sobre uma suposta homossexualidade, o ex-deputado não recuou. "Quero deixar claro que só estou me referindo à homossexualidade enrustida do filho homofóbico, burro e mau do presidente porque esta vem sendo o motor horrores perpetrados por ele contra mim e outras pessoas honradas na internet", afirmou.

Leia também: Greenwald, criptomoeda e hacker russo: Entenda o que é o 'Show do Pavão'

Jean Wyllys estava se referindo aos recentes ataques do filho de Bolsonaro ao jornalista Glenn Greewald, que foi o responsável pelos vazamentos de conversas entre o ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro, e promotores. O vereador é um dos corroboradores da teoria de que o repórter teria pago um hacker para invadir o celular do hoje ministro da Justiça e Segurança Pública.