Tamanho do texto

Ministro da Casa Civil também associa o 'pacto' à criação de empregos e à recuperação econômica do País: "É o importante para vida das pessoas"

Onyx e Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR - 4.6.19
Após reunião com Bolsonaro, Onyx diz que pacto entre poderes pode 'resgatar' o Brasil

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro  na manhã deste domingo (9) para discutir o texto do "pacto" entre os três poderes . Na saída da Granja do Torto, ele disse que o texto elaborado pelo Executivo é importante para "resgatar o Brasil".

"O pacto é um grande acordo no sentido de fazer com que, de maneira harmônica, os poderes possam atuar e trabalhar, cada um dentro da sua especificidade, sem haver interferência nenhuma de um poder no outro, no sentido de juntos fazermos um esforço nacional de resgatar o Brasil desse momento difícil", afirmou Onyx .

Leia também: "Estou aguardando a lista tríplice", diz Bolsonaro sobre indicação para PGR

Ele associou, também, o "pacto" à criação de empregos e à recuperação econômica do país.

"O que é importante na vida das pessoas é o emprego, é o trabalho. E é isso que está angustiando todo mundo. Então vamos unir todos para que medidas possam ser tomadas nas mais diferentes áreas, cada um dentro da sua competência para que o emprego volte para o Brasil", disse.

Os líderes partidários do Congresso, porém, vêm manifestando ceticismo em relação à proposta, vista como antagônica ao conflito necessário entre os poderes.

Ao jornal O Globo , Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, disse que um pacto pode ser "interessante", mas que houve uma "informação mal colocada" porque ele não poderia assinar algo que "não tenha apoio majoritário".

Leia também: Bolsonaro e PSL se reúnem para discutir situação do presidente do partido

Onyx disse que vai conversar ainda neste domingo (9) com Maia e Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado, sobre o texto do "pacto", e na segunda-feira (10) com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli. A intenção é assinar o texto "nesta semana ou na próxima".