Tamanho do texto

Otávio do Rêgo Barros rebate declaração, dada por deputado, de que presidente não teria 'noção de prioridade'

Jair Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR
Bolsonaro quer chegar ao final de 2019 com tranquilidade


O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros , declarou, na noite desta terça-feira (40, que o presidente Jair Bolsonaro tem um "plano estratégico" para o país chegar o final do ano com um ambiente de mais tranquilidade, inclusive na economia. 

A declaração foi dada para rebater o presidente da comissão especial da reforma da Previdência, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), que, mais cedo, disse que  Bolsonaro não tem "noção de prioridade".

Leia também: Entenda quais são as mudanças nas regras de trânsito propostas por Bolsonaro

A crítica foi feita por Bolsonaro ter ido  à Câmara dos Deputados nesta manhã para entregar projeto de lei que trata de mudanças no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) no horário em que acontecia um seminário sobre as novas regras para a aposentadoria. O ministro da Economia, Paulo Guedes, participava de audiência pública na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara.

Rêgo Barros argumentou que o presidente demonstra suas prioridades se empenhado na interlocução com Congresso e apresentado medidas, como projetos de lei (PL), medidas provisórias (MP) e Propostas de Emenda à Constituição (PEC).

Leia também: Bolsonaro recebe credenciais de oito novos embaixadores no Brasil

"Eu fico realmente admirado de que seja dito que nosso presidente não tem prioridades . (Bolsonaro) Tem demonstrado isso diuturnamente. Por meio das ações diretas com a interlocução com Congresso, por meio das proposições apresentadas por meio de PL (Projeto de Lei), MP (Medida Provisória), PEC (Proposta de Emenda à Constituição), e todos eles encadeados de forma contínua, o que demonstra um plano estratégico do governo para chegar ao final do ano e um pouco mais adiante com esses objetivos conquistados, espraiando o ambiente de tranquilidade da nossa sociedade, o ambiente econômico", afirmou Rêgo Barros .

Leia também: Relator do decreto das armas no Senado organizou prêmio patrocinado pela Taurus

"Então me parece não adequado, quem quer que posa ter feito esse comentário, fazê-lo em relação a Bolsonaro ", completou o porta-voz.