Tamanho do texto

Presidente chama a arma de 'nosso T4', mas diz que não é garoto propaganda; armamento está entre as que deixaram de ser de uso restrito

Bolsonaro
Reprodução
Antes do decreto sobre armas do presidente, armas como o fuzil T4 era de uso exclusivo do Exército

O presidente Jair Bolsonaro gravou um vídeo, postado nas redes sociais em 2017, em um estande da empresa Taurus, fabricante de armas, em que aparece com o fuzil T4, cuja posse foi liberada para os cidadãos comuns no decreto assinado este mês.

No vídeo, feito durante a feira LAAD (Defense and Security), no Rio de Janeiro, Bolsonaro diz que não é garoto propaganda, mas que está no lançamento do fuzil. E chama a arma de "o nosso T4”. Ele promete também que, se chegar à Presidência, vai permitir que "cidadão de bem" use o armamento. Nesta terça-feira, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, informou que o governo avalia fazer mudanças no decreto que flexibilizou a posse e o porte de armas e munições. 

“Estou no estande da Taurus. Não sou garoto propaganda da Tauros, não, mas estou no lançamento de armamento aqui. Obviamente, visando a possibilidade de concorrência futura que pode acontecer. A Tauros está lançando aqui um fuzil.” E repete o que o representante da Taurus acaba de falar. “O nosso T4 e a pistola TS.”

Leia também: Em carta a Bolsonaro, Anistia Internacional faz dura crítica a decreto das armas

Bolsonaro também reinteirou uma promessa de campanha. “Não sou especialista. Há muito tempo, sai do Exército, mas continuo capitão. A paixão pelas armas não muda. Por isso, eu sempre digo: se eu chegar lá, você cidadão de bem vai ter isso  aqui em casa (e mostra a pistola). Você produtor rural, no que depender de mim, vai ter isso aqui também (e mostra o fuzil).”

E dia o que deve ser um "cartão de visita" para invasores de terras. “Cartão de visita para invasor tem que ser cartucho 762, com excludente de ilicitude, obviamente, e mudando o nosso código penal. Que o mais importante que a sua vida, é a sua liberdade. Povo armado jamais será escravizado.” E termina parabenizando a empresa. “Parabéns a Taurus .”

Leia também: Bolsonaro avalia fazer mudanças pontuais no decreto das armas

Antes do decreto sobre armas do presidente, segundo definição estabelecida pelo Exército em 2000, poderia ser considerada de uso restrito a arma que disparasse projétil com energia de lançamento acima de 407 joules. No novo decreto, o limite foi ampliado para 1.620 joules. O fuzil T4 está entre as que deixaram de ser de uso restrito. E quem se enquadrar nas novas regras de porte, poderá transitar com o armamento.