Tamanho do texto

Marco Antonio Jeronimo usou o termo no texto de uma petição jurídica, ao criticar o diretor de uma secretaria por chefiar uma tramitação "deficiente"

Trecho de ação em que advogado chama servidor de 'viado espalhafatoso'; caso será investigado pela OAB-DF
Reprodução/TJDFT
Trecho de ação em que advogado chama servidor de 'viado espalhafatoso'; caso será investigado pela OAB-DF

Um advogado do Distrito Federal se referiu a um servidor do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) como um "viado espalhafatoso". A classificação foi feita no meio do texto de uma petição jurídica. 

Leia também: Em sentença, juíza diz que réu branco "não possui estereótipo padrão de bandido"

Marco Antonio Jeronimo atacou o diretor de uma secretaria do TJ-DF, a quem aponta como responsável pela demora dos trâmites processuais da Corte. Na sua ação, o advogado pontua a orientação sexual do servidor e usa palavras de baixo calão, enquanto defende celeridade no andamento dos processos. 

"Muito embora a preferência sexual do atual ocupante do cargo de diretor de secretaria deste juízo seja o homossexualismo, o que é uma condição explícita e questionável de tal pessoa [que, a toda evidência, é um viado espalhafatoso ], insta relatar que os trabalhos no cartório desse juízo tem ficado a desejar há algum tempo”, escreveu o advogado Jeronimo.

Leia também: Ministro da Educação comete gafe e faz referência ao "livro de Kafta"; assista

Segundo ele, a direção dos trabalhos no cartório seria "deficiente", sob o ponto de vista técnico, “o que não condiz com as demandas específicas do cargo de diretor de secretaria, que, sabemos, é de alta responsabilidade e alta demanda de trabalho, e, também por isso, possui remuneração alta para fazer a contrapartida pelos trabalhos e a competência técnica exigidos”.

De acordo com a OAB -DF, o Conselho de Ética, onde os processos correm em sigilo, será acionado e, só depois disso, haverá um pronunciamento oficial da entidade sobre a conduta do advogado . Por sua vez, a juíza titular da Vara decidiu por excluir o documento com teor ofensivo do sistema eletrônico da Justiça (PJ-e).

Leia também: Acusada de estar "com tudo para fora", advogada é barrada no TJ-RO