O prefeito de Belford Roxo Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (MDB), foi afastado do cargo
Divulgação
O prefeito de Belford Roxo Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (MDB), foi afastado do cargo

O prefeito de Belford Roxo Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (MDB), foi afastado do cargo, na manhã desta terça-feira. Ele, outros servidores municipais e o deputado estadual Márcio Canella (MDB), ex-prefeito de Belford Roxo, são alvos de uma operação do Ministério Público estadual (MPRJ) contra um esquema de desvio de recursos públicos.

Leia também: Na semana do Dia do Trabalho, senadores 'matam' o serviço

O grupo de 25 pessoas teria desviado cerca de R$ 14 milhões do cofres município da Baixada Fluminense. Além do prefeito Waguinho e do deputado Marcio Canella, também foram denunciados Paulo Sérgio Corrêa Luna, secretário municipal de Conservação; Bruno de Oliveira Paes Leme Pires, ex-secretário municipal de Obras e empresários.

Na Operação Metano , como foi batizada, além da decisão judicial de afastamento de Waguinho , os agentes pretendem cumprir 25 mandados de busca e apreensão em repartições públicas e nas casas dos denunciados. Eles pretendem apreender dinheiro, documentos, computadores, papéis, telefones celulares e outros objetos que comprovem o crime.

Você viu?

 Todos eles vão responder pelos crimes de organização criminosa, concussão, fraude a licitações, dispensa ilegal de licitações e peculato. De acordo com as investigações, inicialmente, foram apuradas irregularidades na contratação de empresas para a prestação dos serviços de coleta e transporte de lixo urbano, bem como de sua destinação final em aterro sanitário.

A investigação teve desdobramentos que evidenciaram irregularidades em outros campos de atuação administrativa, como o da pavimentação de vias públicas e de locação de imóveis pelo executivo local.

Leia também: Bolsonaro convoca reunião de emergência para tratar de Venezuela

"Foram produzidos sólidos elementos de prova que apontam, por cruzamento de dados, vínculos subjetivos entre todos os agentes denunciados, públicos e privados - em especial, por meio de pessoas jurídicas contratadas -, além de análise pericial de superfaturamento nos contratos, oitiva de diversas testemunhas, diligências policiais de campo, comparativo de gastos públicos orçamentários, relatórios de inteligência financeira, etc., todos convergentes quanto à evidência de crimes gravíssimos perpetrados contra a Administração Pública por obra dos ora denunciados, responsáveis por desfalques milionários no erário municipal", diz a denúncia.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários