Tamanho do texto

Apesar de ter aceitado denúncia contra o ex-presidente nesta segunda, juiz da 12ª Vara Federal do DF afirmou que não era caso para prisão preventiva

Michel Temer
Antonio Cruz/ABr
Michel Temer será investigado na primeira instância por assinatura do decreto dos portos

 O juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, negou novo pedido de prisão preventiva feito contra o ex-presidente Michel Temer (MDB), desta vez no caso do inquérito dos Portos. 

A decisão de Marcus Vinicius foi tomada em conjunto com o  recebimento da denúncia contra Temer e outros personagens, divulgada na segunda-feira. Apesar de considerar que havia elementos para abertura de ação penal contra Temer , o juiz federal avaliou que não era caso para prisão preventiva.

A força-tarefa Greenfield, autora do pedido de prisão, havia argumentado que a medida se justificava pela necessidade de resguardar a integridade das investigações e para resguardar as ordens econômica e pública. Após a negativa, os procuradores estudam recorrer contra a decisão do juiz. Além de Temer, eles pediram a prisão preventiva do coronel João Baptista Lima, apontado como seu operador financeiro. 

Leia também: "Trata-se de mais uma acusação absurda", diz defesa de Temer

Temer já foi preso preventivamente pelo juiz federal Marcelo Bretas, do Rio, mas foi solto dias depois. No caso dos Portos, a acusação é que a publicação de um decreto por Temer favoreceu indevidamente empresas do setor portuário em troca de propina.