Tamanho do texto

General Fernando Azevedo e Silva disse que ainda não discutiu sobre o tema com Bolsonaro; segundo ministro, trata-se de um assunto "muito complexo"

Ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
Ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, afirmou que a possibilidade de instalação de uma base militar dos Estados Unidos no Brasil,  anunciada na última sexta-feira (4) por Bolsonaro, ainda não está definida. O general acrescentou, em entrevista ao jornal Valor Econômico , que "não vê qual seria o motivo" de uma base como esta no País.

Em sua última declaração sobre o país norte-americano, Bolsonaro disse que está aberto a discutir a possibilidade de instalação de uma base militar americana no Brasil. O ministro da Defesa , porém, afirmou que este é "um assunto muito complexo" que ainda não foi conversado entre os dois. "É um assunto muito complexo que ele [Bolsonaro] ainda não conversou comigo. Tem que ver direitinho. Não vejo qual seria o motivo de uma base como essa", disse ao Valor .

"O presidente ainda tem que colocar para a Defesa, que é responsável pelo tema, qual é o pensamento dele. Se responder, estarei sendo injusto até com ele. Hoje estive com ele [Bolsonaro] na cerimônia da Força Aérea e conversamos sobre outros assuntos mas esse aí não", completou. 

Azevedo e Silva também falou da transferência da embaixada brasileira em Israel de TelAviv para Jerusalém e disse que acredita que Bolsonaro "ainda esteja refletindo" sobre o assunto. "O presidente gosta de escutar os assessores dele para tomar decisões e acredito que ainda esteja refletindo. É uma decisão política. É uma intenção dele e cabe aos seus assessores avaliarem as vantagens e as desvantagens de uma decisão como esta", defendeu. 

No entanto, o presidente disse na semana passada, em entrevista ao SBT , que a transferência da embaixada já está definida. “Como disse o primeiro ministro de Israel: a decisão está tomada. Está faltando apenas definir quando ela será implementada”, confirmou Bolsonaro. 

O general também falou sobre a MP 2215, do ano de 2001, que acabou com a promoção automática dos militares que passam para a reserva, o auxílio-moradia e o adicional de inatividade – que o presidente sinalizou intenção de revisar. Azevedo e Silva disse que esta é outra medida que ele "precisa ver com calma". 

"Fomos dormir de um jeito e acordamos de outro. Perdemos direitos como auxílio-moradia completo que em alguns casos seriam justos. Por exemplo, quando o oficial é removido por necessidade do serviço e não tem disponibilidade (de imóvel), ele vai ter que alugar. Os outros poderes regularam isso: quem vem de fora ainda tem o auxílio-moradia, nós perdemos por completo", reclamou. 

Leia também: Bolsonaro adota tom de urgência com ministros: "O País não pode mais esperar"

Fernando Azevedo e Silva, é general do Exército Brasileiro e atual ministro da Defesa do governo Bolsonaro. Antes, ele era assessor do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, um mês antes da eleição.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.