Tamanho do texto

Deputado do PDT disse que sua atuação estará alinhada com as posições do seu antecessor e que não vê problemas na extinção do Ministério do Esporte

Suplente de Onyx, deputado fez carreira no futebol, onde ficou conhecido como Washington Coração Valente
Wallace Teixeira/Photocamera
Suplente de Onyx, deputado fez carreira no futebol, onde ficou conhecido como Washington Coração Valente

Com a nomeação do deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS) como ministro extraordinário no processo de transição de governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, o suplente de Onyx, Washington Cerqueira (PDT-RS), assumirá a vaga na Câmara.

O deputado disse que sua atuação estará alinhada com as posições do seu antecessor. “Eu tenho minha linha de pensamento e acho que é muito na linha daquilo que está sendo traçado para o próximo governo”, afirmou o suplente de Onyx .

Washington esteve hoje na Câmara para acertar os trâmites da sua posse, que deve ocorrer nesta terça-feira, e para uma reunião com o titular da vaga. O suplente disse que sua posição não deverá criar atritos no partido. “É claro que tenho respeito ao partido, mas tenho minha linha de conduta e de pensamento”.

O deputado fez carreira no futebol, onde ficou conhecido como Washington Coração Valente . Em 2002, quando jogava pelo Fenerbahce, da Turquia, foi diagnosticado com obstrução em uma artéria e aconselhado a deixar o futebol. Após se submeter a uma cirurgia, voltou a treinar no Atlético Paranaense e foi campeão brasileiro pelo Fluminense, em 2010.

Leia também: Mudar idade mínima da aposentadoria este ano seria "grande passo", diz Bolsonaro

Nos últimos dias, Onyx, confirmado para assumir a Casa Civil no  governo Bolsonaro , ficou em Brasília, preparando a chegada do presidente eleito, que desembarcará nesta terça-feira (6) na cidade, onde fica até a próxima quinta-feira (8). 

Antes mesmo do segundo turno das eleições, Onyx Lorenzoni também já vinha se encontrando com o ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, para negociar a transição de governo. Tais encontros eram parte das atribuições de Padilha durante as eleições. 

A transição funcionará no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), próximo ao Palácio do Planalto e à Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Nesse processo, representantes do atual governo do presidente Michel Temer e da  equipe de Bolsonaro se reunirão.

Washington disse que no curto período de tempo em que ficará na Câmara – até 31 de janeiro de 2019 – vai dar prioridade a questões relativas ao esporte, como saída para problemas de saúde e de segurança.

No entanto, ele não vê problemas na extinção do Ministério do Esporte, em análise pela equipe de Bolsonaro. “Isso não está definido. Se isso acontecer, não quer dizer que ele vá cortar recursos para o esporte”, disse o suplente de Onyx . A ideia é fundir os ministérios da Educação, Cultura e Esporte.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.