Arthur Virgílio (PSDB), prefeito de Manaus, declarou apoio a Marina Silva (Rede)
Agência Senado
Arthur Virgílio (PSDB), prefeito de Manaus, declarou apoio a Marina Silva (Rede)

Opositor da candidatura presidencial de Geraldo Alckmin desde o início, o tucano Arthur Virgílio, prefeito de Manaus, vai anunciar apoio a Marina Silva na tarde de sexta-feira.

Leia também: Alckmin reclama de inquérito contra ele e aumenta ataques a PT e Bolsonaro na TV

O próprio Arthur Virgílio confirmou, à Folha de S.Paulo , a intenção de desembarcar da nau de Alckmin. “Sexta vou receber institucionalmente e declarar meu voto para presidente na Marina. Vou apoiá-la”, disse.

O tucano, que pretendia disputar as prévias do partido na indicação presidencial contra Alckmin, mas desistiu de última hora por considerá-la “uma farsa”, não poupou críticas ao seu correligionário.

"Não sou de acordo com a candidatura do meu partido nem vou fazer um voto tresloucado. Vou votar numa pessoa de bem, séria, que tem propostas econômicas palatáveis. Fiz opção por uma pessoa que é completamente limpa, sobre a qual não pesa nodoa, que fala o que pensa. É uma pena que as pesquisas não registrem este valor dela", afirmou.

A ofensiva contra Alckmin não pode ser acusada de oportunista. Desde o início da campanha, Virgílio vem se apresentando como uma “pedra no sapato” do colega. Ele também falou sobre essas desavenças à Folha .

Você viu?

Leia também: Selena Gomez tucana? Diretório do PSDB em Sergipe usa foto de cantora em painel

"Primeiro, sou independente, sou dissidente da candidatura do Geraldo Alckmin. Sempre soube que isso aí não ia dar em nada. Sempre fui mal tratado. No final, queriam à fórceps obter apoio aqui. Eu disse 'não tem, as pessoas aqui não gostam do Geraldo'. Não estou cometendo crime nenhum. Estou fazendo às claras o que a maioria dos apoiadores do Geraldo está fazendo às escuras", declarou.

Estacionado nas pesquisas eleitorais com 8% das intenções de voto, Alckmin assiste à rápida desidratação de sua chapa. Aliados do chamado “centrão”, o bloco conservador do Congresso, já cogitam apoio à Bolsonaro ou Fernando Haddad.

Faltando pouco menos de duas semanas, há, mesmo entre os aliados antigos do partido e dentro do próprio PSDB , quem questione a viabilidade da candidatura de Alckmin.

Arthur Virgílio foi o primeiro a desembarcar oficialmente da chapa, mas comenta-se, nos bastidores, que João Doria, afiliado político de Alckmin e candidato ao governo de São Paulo, tende a seguir caminho semelhante – o ex-prefeito de São Paulo, contudo, deve apoiar não Marina, mas Bolsonaro.

Leia também: Marina Silva defende aposentadoria diferenciada para mulheres

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários