Tamanho do texto

Ministro ponderou que investigação "leva um tempo" e reforçou que não foi descartada "nenhuma hipótese"; Haddad pediu segurança de agentes da PF

Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, prometeu ampliar efetivo da PF para segurança de candidatos
Isaac Amorim/MESP - 3.5.18
Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, prometeu ampliar efetivo da PF para segurança de candidatos

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta sexta-feira (14) que tem a "esperança" de os investigadores da Polícia Federal concluírem ainda antes do primeiro turno das eleições, agendado para o dia 7 de outubro, o  inquérito que apura as circunstâncias do ataque sofrido pelo candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL).

O ministro, no entanto, ponderou que a investigação "leva um tempo".  "Nós não descartamos nenhuma hipótese", afirmou Raul Jungmann durante agenda em São Paulo, conforme reportado pelo portal Uol . "Num primeiro momento, nós tínhamos as informações que nos remetiam ao agressor. Toda e qualquer questão, seja de presença de advogados, cartão, telefonema, laptop, celulares, tudo está sendo  investigado", garantiu o ministro.

O autor do ataque a faca sofrido por Bolsonaro durante ato de sua campanha em Juiz de Fora (MG), na última quinta-feira (6), é Adelio Bispo de Oliveira , de 40 anos de idade, que foi detido em flagrante e posteriormente transferido para presídio federal em Campo Grande (MS).

A Polícia Federal apura, agora, se Adelio recebeu ajuda de outras pessoas ou ainda se ele foi pago para cometer o atentado ao candidato do PSL. O criminoso e sua defesa tem negado essas duas suposições.

"Todas as mídias do Adelio estão sendo periciadas. Há um esforço para, no mais curto espaço de tempo, apresentar esse resultado", disse o ministro, que voltou a rechaçar boatos de que uma mulher teria entregado a faca para o agressor momentos antes do ataque a Bolsonaro

O presidenciável do PSL foi submetido a duas cirurgias após ser esfaqueado e  está internado há uma semana no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Haddad pediu segurança da PF, diz Raul Jungmann

Agressor de Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira está em presídio federal; Raul Jungmann promete investigação rápida
Tomaz Silva/Agência Brasil - 7.9.18
Agressor de Bolsonaro, Adelio Bispo de Oliveira está em presídio federal; Raul Jungmann promete investigação rápida

Jungmann informou ainda nesta sexta-feira (14) que o candidato Fernando Haddad (PT) solicitou à Justiça Eleitoral time de agentes da PF para reforçar sua segurança durante atos de campanha. Segundo o ministro, serão disponibilizados ao menos 25 policiais para a segurança do petista, que só solicitou segurança agora pois ele assumiu a vaga do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta semana.

Leia também: Campanha de Bolsonaro intensifica uso de vídeos e busca apoio de mulheres e gays

Esse serviço já havia sido solicitado pelos candidatos Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Álvaro Dias (Podemos) e pelo próprio Bolsonaro, que ainda assim acabou sendo vítima do ataque em Juiz de Fora (MG). O efetivo de agentes da PF que acompanham os candidatos foi ampliado após o episódio, atendendo a determinação do presidente Michel Temer (MDB) e do ministro Raul Jungmann .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.