Barroso, do STF, determina quebra de sigilo bancário de Michel Temer

Temer disse que irá liberar dados à imprensa; é a primeira vez que um presidente em exercício de mandato tem quebra de sigilo determinada
Foto: Beto Barata/PR - 7.7.17
Temer disse que irá liberar dados bancários à imprensa

O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso determinou a quebra do sigilo bancário de Michel Temer (MDB). Esta é a primeira vez que um presidente da República em exercício de mandato tem o sigilo bancário rompido pela justiça.

Leia também: Barroso dá mais 60 dias para PF concluir investigação contra Michel Temer

A decisão de Barroso se deu em 27 de fevereiro, mas só foi revelada à imprensa na noite de segunda-feira (5). A quebra de sigilo se refere ao período de 1º de janeiro de 2013 a 30 de junho de 2017 e tem por objetivo auxiliar a investigação contra Temer no inquérito sobre a Medida Provisória (MP) dos Portos.

Michel Temer é suspeito de ter aceitado propina da Rodrimar , empresa que opera o porto de Santos (SP), em troca de favorecimento ao grupo por meio da edição do decreto que regulamenta contratos de concessão e arrendamento do setor portuário.

Também são investigados o ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures e os empresários Antonio Grecco e Ricardo Mesquita, ligados à Rodrimar.

Além do presidente, terão os sigilos bancários revelados João Baptista Lima, o coronel Lima, amigo pessoal de Temer; José Yunes, também amigo e advogado do emedebista; o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, famoso pelo episódio da mala com R$500 mil supostamente destinada ao presidente; e Antonio Celso Grecco e Ricardo Mesquita.

Leia também: STF autoriza quebra de sigilos em investigação sobre decreto assinado por Temer

O prazo para conclusão da investigação, que já havia sido prorrogado em dezembro pelo ministro Barroso, relator do inquérito, seria encerrado no fim de fevereiro. Mas o delegado federal responsável pelo caso, Cleyber Lopes, pediu mais tempo alegando que ainda há diligências pendentes.  O pleito contou com manifestação favorável apresentada pela  procuradora-geral da República, Raquel Dodge. 

Até o momento, a "principal prova" obtida no âmbito das investigações, conforme avaliação do ex-diretor-geral da Polícia Federal Fernando Segovia, é a gravação de conversa entre Rocha Loures e outro auxiliar de Temer , o assessor jurídico da Casa Civil, Gustavo Rocha.

No diálogo, Gustavo defende que o texto do Decreto dos Portos não deveria incluir regra para beneficiar empresas que conseguiram concessões antes do ano de 1993 (caso da Rodrimar), pois isso poderia causar "exposição" para o presidente.

À imprensa, a assessoria de Temer afirmou ter sido informada da quebra do sigilo pelo noticiário. O presidente afirmou que disponibilizará seus dados bancários aos jornalistas, por ter certeza de que, ainda que não o fizesse, o conteúdo “iria vazar”.

Leia também: Relatório da PF pede quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico de Temer

"O presidente Michel Temer solicitará ao Banco Central os extratos de suas contas bancárias referentes ao período mencionado hoje no despacho do iminente ministro Luís Roberto Barroso. E dará à imprensa total acesso a esses documentos. O presidente não tem nenhuma preocupação com as informações constantes suas contas bancárias", diz a nota, assinada pela Secretaria Especial de Comunicação Social.

Quem também se manifestou foi o  ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun. Em entrevista à imprensa, o ministro  disse que Temer está “indignado” com o fato. “O presidente vai divulgar seus extratos, não tem nada a esconder, mas encontra-se contrariado, e indignado até, por essa decisão que nós consideramos completamente indevida, principalmente pelo fato deste inquérito não possuir base fática alguma para justificar uma medida como essa”, disse Marun.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2018-03-05/temer-sigilo-quebrado.html