Rodrigo Janot oferece denúncia contra políticos do PP por organização criminosa

Integrantes do Partido Progressista são acusados de terem participação no esquema de corrupção da Petrobras; inquérito tem 30 alvos, afirma jornal
Foto: Divulgação
Cerca de 30 políticos do PP seriam alvo do inquérito apresentado por Rodrigo Janot ao STF, diz jornal

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou nesta sexta-feira (1º) ao STF (Supremo Tribunal Federal) uma denúncia por organização criminosa contra integrantes do PP (Partido Progressista). Os políticos são acusados de terem participação no esquema de corrupção da Petrobras.

Leia também: Eduardo Cunha foi "contratado" para cobrar propina, diz operador do PMDB

De acordo com informações publicadas nesta sexta-feira pelo jornal “O Estado de S.Paulo”, esta foi a primeira denúncia apresentada por Rodrigo Janot contra políticos na investigação sobre o envolvimento de partidos e operadores em negócios ilícitos na petrolífera estatal, que está no centro da Operação Lava Jato.

Ainda de acordo com a reportagem, a denúncia será mantida em sigilo judicial, já que utiliza como base trechos obtidos do acordo de delação premiada do ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE), que ainda está protegido por segredo de Justiça.

Leia também: Para 55,6% da população, PSDB deve deixar base de apoio ao governo Temer

O inquérito contra o Partido Progressista possui 30 alvos, conforme noticiado pelo “Estadão”. Entre esses alvos estão o ex-ministro Aguinaldo Ribeiro, e o presidente do PP , o senador Ciro Nogueira (PI), que, inclusive, seria um dos denunciados na peça apresentada pela PGR ao Supremo.

Suspeição

A defesa do presidente Michel Temer recorreu hoje  ao plenário do STF contra a decisão do ministro Edson Fachin que rejeitou pedido de suspeição de Janot para atuar em investigação relacionada ao presidente que está em tramitação na Corte.

Em recurso apresentado nesta sexta-feira, o advogado Antônio Mariz, representante de Temer, reafirma que, nos casos envolvendo o presidente, Janot extrapola os "limites constitucionais e legais inerentes ao cargo que ocupa”.

Leia também: Fachin dá mais 60 dias para Joesley e delatores da JBS apresentarem provas

“No afã de envolver o senhor presidente da República em fatos incertos e não determinados, uma série de ‘certezas’ foram lançadas pelo Chefe do parquet [Ministério Público] que dificultaram sobremaneira uma análise isenta e desprovida de influências que só agora têm vindo à tona, sendo certo que toda a contextualização ora sintetizada, mas amplamente esmiuçada na exordial, evidencia a clara suspeição do Dr. Rodrigo Janot para a condução, no âmbito do Ministério Público Federal, de casos envolvendo o ora agravante [Temer]”, sustenta a defesa. Na quarta-feira (30), ao negar pedido de suspeição de Janot, o ministro Edson Fachin entendeu que entendeu que não houve indícios de parcialidade do procurador durante as investigações.


* Com informações da Agência Brasil

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-09-01/rodrigo-janot.html