MPF pede absolvição de Lula e retirada de benefícios de Delcídio do Amaral

Procuradoria entende que episódio de tentativa de compra do silêncio de Nestor Cerveró interessava só ao ex-senador, e não ao ex-presidente
Foto: Reprodução/Facebook/Lula
Citado 186 vezes em delação de Delcídio, Lula era acusado de ser o 'mandante de pagamentos à família Cerveró'

O Ministério Público Federal encaminhou à Justiça Federal em Brasília recomendação para absolver o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva  de acusações surgidas a partir da delação do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT) . O processo diz respeito a episódio de tentativa de compra do silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró e tem como réus, além de Lula e Delcídio, o banqueiro André Esteves; o pecuarista José Carlos Bumlai e seu filho, Maurício de Barros; o advogado Edson Ribeiro Filho e o ex-chefe de gabinete de Delcídio Diogo Ferreira Rodrigues.

O MPF alega nas alegações finais encaminhadas ao juiz Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal em Brasília, que, diferentemente do afirmado por Delcídio, os esforços para impedir o fechamento de um acordo de delação premiada por parte do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras não interessava a Lula , mas sim ao próprio ex-senador.

“Para o procurador, ao contrário do que afirmou Delcídio do Amaral – tanto na colaboração quanto no depoimento dado à Justiça –, o pretendido silêncio de Cerveró, que à época cumpria prisão preventiva, não foi encomendado ou interessava a Lula, mas sim ao próprio senador”, diz nota do MPF, que também pediu a absolvição de André Esteves .

Por conta das informações consideradas falsas prestadas pelo ex-senador, o procurador da República Ivan Cláudio Marx recomenda ainda que a Justiça suspenda os benefícios concedidos a Delcídio por conta de seu acordo de colaboração.

Em novembro do ano passado, o próprio Cerveró havia declarado à Justiça que as investidas de Delcídio em impedi-lo de delatar tinham interesse próprio. O ex-líder do governo no Senado, no entanto, garantiu em sua delação que o plano para calar Nestor Cerveró era de interesse do ex-presidente e do dono do banco BTG Pactual.

A narrativa de Delcídio

Lula é citado 186 vezes no termo de delação do ex-senador  e é apontado por Delcídio como "mandante dos pagamentos à familia Cerveró".  O esquema relatado pelo ex-senador dava conta de que Lula teria pedido sua ajuda para repassar dinheiro de José Carlos Bumlai à família do ex-diretor da Petrobras a fim de evitar que o pecuarista fosse delatado por Cerveró.

Delcídio, desse modo, teria recebido R$ 50 mil das mãos do filho de Bumlai, Maurício de Barros, e escalado seu assessor Diogo Ferreira para levar a quantia ao advogado Edson Ribeiro, que representava Cerveró. A descoberta do esquema levou o então senador a ser preso no fim de 2015, em Brasília.

Além de pedir a absolvição de Lula e de André Esteves, a Procuradoria recomendoou em suas alegações a condenação dos demais réus da ação penal por obstrução de Justiça e patrocínio infiel, que é quando o advogado atua para prejudicar o cliente.

Leia também: Fachin dá mais 60 dias para Joesley e delatores da JBS apresentarem provas

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2017-09-01/lula.html