Tamanho do texto

Ex-ministra de Dilma, a parlamentar faz críticas constantes ao presidente Michel Temer e votou contra a reforma trabalhista proposta pelo governo

Ex-ministra de Dilma, senadora Kátia Abreu faz críticas frequentes ao governo do presidente Michel Temer
Geraldo Magela/Agência Senado - 12.07.2017
Ex-ministra de Dilma, senadora Kátia Abreu faz críticas frequentes ao governo do presidente Michel Temer

A Comissão de Ética do PMDB apresentou à cúpula do partido um pedido de suspensão temporária das atividades partidárias da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). Ex-ministra do governo Dilma Rousseff (PT), a parlamentar faz críticas frequentes ao presidente Michel Temer (PMDB) e às reformas planejadas pelo Planalto.

Leia também: Votação da PEC da reforma política é adiada por falta de quórum

De acordo com informações publicadas pelo jornal “O Estado de S.Paulo”, Kátia Abreu também é alvo de um pedido de expulsão da sigla, que também deverá ser avaliado pela direção da legenda. Outro senador que pode ser expulso dos quadros peemedebistas é Roberto Requião (PR), que também faz críticas constantes ao governo Temer.

Além das críticas, os dois parlamentares têm se posicionado no Congresso de maneira contrária às instruções partidárias. Em julho, por exemplo, Kátia e Requião votaram contra a reforma trabalhista, uma das principais vitrines do governo Temer para tentar minimizar os efeitos da crise econômica e diminuir a taxa de desemprego no País.

Defesa

Na última quarta-feira (16), a senadora apresentou sua defesa à direção do partido. A parlamentar indicou 24 testemunhas, entre elas políticos do Tocantins, e lembrou que a legenda não propôs nenhum tipo de punição a filiados condenados por crimes graves, como corrupção e formação de quadrilha.

Leia também: Reformas são importantes para garantir a Constituição, diz Michel Temer

Em sua defesa, a parlamentar diz que renomados nomes do PMDB têm enfrentado problemas de ordem criminal, sendo que alguns já foram condenados e presos – como o ex-deputado Eduardo Cunha e o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. “Até mesmo o presidente da República foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República”, lembra. O partido, porém, não questionou a conduta de nenhuma desses filiados.

Entre as testemunhas solicitadas no processo estão os senadores Renan Calheiros (AL), Roberto Requião (PR), Eunício Oliveira (CE), Eduardo Braga (AM), Edson Lobão Filho (MA) e Valdir Raupp (RO), todos do PMDB, além de Jorge Vianna, do PT do Acre.

Leia também: Ex-ministro Geddel Vieira Lima é denunciado por tentar obstruir a Justiça

Kátia Abreu também indicou como suas testemunhas os ex-presidentes Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. No governo Dilma , a peemedebista ocupou o Ministério da Agricultura entre 2015 e 2016. Em agosto do ano passado, também ao contrário da indicação da cúpula do PMDB, votou contra o impeachment de Dilma – mesmo posicionamento adotado pelo colega Roberto Requião.