Tamanho do texto

Desembargador suspendeu decisão que havia prorrogado a prisão do petista; ex-governador é investigado por esquema com obras que desviou R$ 1,3 bi

O ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz foi libertado hoje
José Cruz/Agência Brasil
O ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz foi libertado hoje


O ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT), que estava preso desde a semana passada, foi libertado nesta quarta-feira (31). A decisão foi expedida pelo desembargador Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

Preso durante a Operação Panatenaico da Polícia Federal , Agnelo Queiroz  é investigado por suspeitas de participação em esquemas de corrupção, e um dos casos apurados é a reforma do Estádio Mané Garrincha para a Copa do Mundo de 2014, e que provocou prejuízo de R$ 1,3 bilhão aos cofres públicos. 

Segundo o advogado de Agnelo, Paulo Guimarães, o ex-governador já deixou a carceragem da PF e está em casa. Guimarães confirmou que a decisão beneficiou também o empresário Fernando Queiroz, proprietário da Via Engenharia, e Nilson Martoreli, ex-presidente da Novacap, estatal de obras do DF.

O desembargador Néviton Guedes acatou o argumento da defesa de que a prisão temporária de cinco dias, prorrogáveis por mais cindo, que havia sido autorizada pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, deveria durar somente enquanto a PF cumpria diligências para coleta de provas, já realizadas. 

Leia também: Supremo decide manter preso o ex-diretor da Petrobras Renato Duque

Nomes envolvidos na operação

Citados em delações premiadas de executivos da empreiteira Andrade Gutierrez, os investigados estariam envolvidos em esquemas de desvios de verbas de obras no Distrito Federal, como o caso do Estádio Mané Garrincha. A empresa, assim como a Via Engenharia, era responsável pelo consórcio de reforma do local.

Como eles também estão sendo investigados por fraudes em licitações para a construção do BRT Sul de Brasília, todos os nomes envolvidos na operação tiveram R$ 155 milhões bloqueados pela Justiça.

Continuam presos José Roberto Arruda, mais um ex-governador do DF, Tadeu Fillippelli, ex-vice-governador; Jorge Luiz Salomão, Sérgio Lúcio Silva de Andrade e Afrânio Roberto de Souza Filho, estes investigados como intermediários no esquema de superfaturamento.

O advogado do ex-governador declarou que Agnelo Queiroz deve se pronunciar ainda nesta quarta-feira sobre os desdobramentos do caso. 

Leia também: Defesa de Temer no STF será feita por advogado particular, diz AGU

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.