Tamanho do texto

Licitação aberta pela Presidência da República previa aquisição de 500 potes de sorvete Häagen-Dazs, 120 embalagens de Nutella e sal do Himalaia

Licitação aberta pelo Planalto previa compra de alimentos luxuosos para o avião oficial de Michel Temer
Beto Barata/PR - 9.12.16
Licitação aberta pelo Planalto previa compra de alimentos luxuosos para o avião oficial de Michel Temer

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, anunciou agora há pouco que o Planalto irá cancelar a licitação no valor de R$ 1,7 milhão para a compra de alimentos e bebidas para o avião oficial da Presidência da República. A lista incluía itens luxuosos, como sorvete Häagen-Dazs, castanha do Pará in natura, presunto tipo Parma e vinagre balsâmico.

LEIA MAIS:  Temer abre licitação para compra de alimentos no valor de R$ 1,7 milhão

A confirmação sobre o cancelamento foi feita por meio de redes sociais. Sem dar detalhes, Padilha afirmou que o pregão foi cancelado por orientação do presidente Michel Temer. O Palácio do Planalto foi alvo de críticas ao longo de todo o dia por causa da cesta presidencial (que de básica não tem nada).

A palavra Häagen-Dazs chegou a estar entre as mais comentadas do Twitter no Brasil. Isso porque a lista presidencial incluía 500 potes de sorvete da marca. Cada um deles, com 100 gramas, foi cotado a R$ 15,09. No site da rede Pão de Açúcar, o produto, na mesma embalagem, custa R$ 11,25.

Houve outros casos de sobrepreço na lista feita pelo governo. A lata de leite em pó Ninho sem lactose com 380 gramas, cotada pela Presidência a R$ 31, é vendida a R$ 21,39 no site do Walmart – 31% mais barato. O creme de avelãs Nutella de 350 gramas, orçado em R$ 34 a unidade, pode ser encontrado a R$ 22,39 no site do Sonda Supermercados – 34,1% a menos, portanto.

LEIA MAIS:  "Eu não estava patrocinando interesse privado", afirma Temer sobre caso Geddel

A equipe do iG procurou a Presidência para que comentasse o fato de os produtos citados estarem com preços superiores aos do mercado, mas não se pronunciou até a publicação desta reportagem. Na justificativa para a licitação, o Gabinete de Segurança Institucional limitou-se a dizer que, “considerando-se que as viagens da Presidência da República com utilização de meios aéreos ocorrerem, por vezes, em horários que coincidem com os estimados para a realização de refeições, faz-se mister a contratação de empresa especializada neste tipo de serviço, com fornecimento de material especificamente no Aeroporto de Brasília, em atenção aos mais altos padrões de higiene e segurança alimentar, cumprindo-se os horários e prazos imperativos a rotina de atividades presidenciais”.

Luxo total

A lista de produtos exigidos continha seis kits diferentes para almoço e jantar, cujos preços variavam entre R$ 75,96 e R$ 167,51. Para se ter ideia, entre as churrascarias mais caras de São Paulo , o valor cobrado por pessoa oscila na faixa de R$ 130.

LEIA MAIS:  Temer garante que baixa popularidade não atrapalha ações do governo

Para o café da manhã, os kits orçados pelo Planalto vão de R$ 52,72 a R$ 96,37. Para quem é chegado em mortadela, foram solicitados 500 sanduíches do tipo, a R$ 16,45.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.