Tamanho do texto

Recesso dos ministros do STF começa nesta segunda-feira e vai até fevereiro; 77 acordos de delação da Odebrecht foram enviados por Rodrigo Janot.

Ministro Teori Zavascki disse que ele, seus juízes auxiliares e os servidores do gabinete vão trabalhar durante o recesso
Nelson Jr./SCO/STF - 23/02/2016
Ministro Teori Zavascki disse que ele, seus juízes auxiliares e os servidores do gabinete vão trabalhar durante o recesso

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki disse, nesta segunda-feira (19) que vai trabalhar durante o recesso da Corte – que começa nesta segunda – para analisar os 77 depoimentos de delação premiada de executivos da empreiteira Odebrecht que chegaram durante a manhã ao tribunal.  

LEIA TAMBÉM:  Odebrecht delata caixa dois para a chapa Dilma-Temer na campanha de 2014

"Vamos trabalhar. Nós vamos seguir, não examinei o material, mas vamos seguir o que a lei manda. Em face dessa excepcionalidade, nós vamos trabalhar", disse o ministro, após a última sessão deste ano, realizada na manhã desta segunda. O recesso termina na primeira semana de fevereiro.

O ministro disse que ele, seus juízes auxiliares e os servidores do gabinete vão trabalhar durante o recesso para fazer a análise das delações para que o material possa estar pronto para ser homologado em fevereiro, na volta do recesso. Sobre as críticas recorrentes de demora da Corte em analisar processos penais, Teori disse que "seu trabalho está em dia".

"Eu tenho em torno de cem inquéritos sobre matéria penal em meu gabinete. Eu não tenho nada atrasado. Essa fase de investigação é uma fase em que depende muito mais do Ministério Público", disse.

VEJA AINDA:  Lava Jato: Sérgio Moro aceita denúncia e Lula vira réu pela quarta vez

Zavascki aproveitou a oportunidade para classificar como "lamentáveis" os vazamentos de termos das delações de executivos da Odebrecht antes do envio ao Supremo pela PGR.

Janot enviou os depoimentos nesta segunda

Por volta das 9h, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo os acordos de delação premiada de 77 executivos da empreiteira Odebrecht, firmados com a força-tarefa de investigadores do Ministério Público Federal (MPF) na Operação Lava Jato. Os documentos estão sob sigilo e foram guardados em uma sala-cofre.

Com o envio, caberá ao ministro Teori Zavascki decidir pela homologação dos depoimentos, fase em que as oitivas passam a ter validade jurídica. O ministro poderá recusar os acordos se entender que os depoimentos não estão de acordo Lei 12.850/2013, que normatiza as colaborações premiadas.

E MAIS:  Não sobrou um: todos os principais candidatos para 2018 são citados na Lava Jato

Entre os depoimentos dos delatores, figura o do empresário Marcelo Odebrecht, condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 19 anos e quatro meses de prisão por crimes de corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro na Lava Jato.

Nos depoimentos, o empreiteiro citou nomes de políticos para quem ele fez doações de campanha, que teriam origem ilícita. Os detalhes são mantidos em segredo de Justiça para não atrapalhar as investigações. Homologação dos depoimentos deve acontecer logo após o recesso.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.