Tamanho do texto

Segundo balanço divulgado hoje, 46% dos brasileiros desaprovam a gestão de Temer e apenas 13% a consideram boa ou ótima; resultado é impulsionado por escândalos, PEC do Teto de Gastos e proposta de reforma da Previdência

Avaliação do governo Michel Temer caiu mais entre a população de renda elevada e com formação no ensino superior
Beto Barata/ PR
Avaliação do governo Michel Temer caiu mais entre a população de renda elevada e com formação no ensino superior

O número de brasileiros insatisfeitos com o governo de Michel Temer  atingiu seu maior índice desde que o peemedebista assumiu a Presidência da República, em maio. De acordo com pesquisa divulgada pelo CNI-Ibope nesta sexta-feira (16), 46% da população considera a atual gestão ruim ou péssima, o que representa um aumento de sete pontos percentuais no número de insatisfeitos registrado no balanço anterior, de setembro.

Apenas 13% dos entrevistados consideraram o governo Temer bom ou ótimo, praticamente o mesmo índice verificado na pesquisa anterior (14%).  O presidente perdeu popularidade principalmente entre os brasileiros com renda elevada (acima de cinco salários mínimos) e pessoas com o ensino superior completo. Aqueles que avaliam o governo como regular somam 35% dos entrevistados para a pesquisa, enquanto o número de indecisos baixou de 12% em setembro para 6%.

Na comparação com o governo Dilma Rousseff, 42% dos brasileiros acreditam que a atual gestão é igual à da petista e 21% a consideram melhor. Já aqueles que consideram o governo Temer pior que o de Dilma passaram de 31% em setembro para 34% em dezembro. No Nordeste, esse índice já chega a 51%.

LEIA TAMBÉM:  “Supremo vive surto decisório”, diz Gilmar Mendes sobre decisão de Fux

Noticiário

Os índices negativos são impulsionados pela série de escândalos envolvendo o governo e pelas medidas impopulares defendidas pelo Planalto. O fato do noticiário que mais é associado à gestão Temer (7% dos entrevistados) é a proposta que congela os investimentos pelos próximos 20 anos, a PEC do Teto de Gastos, promulgada nesta quinta-feira (15) pelo Congresso.

Também são mencionados pelos entrevistados fatos como o escândalo envolvendo a demissão do ex-chefe da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima e a Operação Lava Jato – sem especificação. Ao longo desta semana, o Planalto se viu atingido por denúncias feitas na delação premiada do ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho.

Contratado pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI), o Ibope ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios de todo o País entre os dias 1 e 4 de dezembro. A margem de erro estimada é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança da pesquisa é de 95%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.