Tamanho do texto

Senador Jorge Viana irá substituir Renan Calheiros, afastado do posto após liminar expedida na segunda pelo ministro Marco Aurélio Mello, do STF

Senador Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente da Casa, garante que não irá trabalhar por interesses próprios
Marcos Oliveira/Agência Senado - 21.8.2014
Senador Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente da Casa, garante que não irá trabalhar por interesses próprios

O senador Jorge Viana (PT-AC), primeiro vice-presidente da Casa, garantiu que não irá defender interesses pessoais ou partidários após o afastamento de Renan Calheiros (PMDB-AL), solicitado por meio de liminar expedida pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF).

LEIA MAIS:  Senadores decidem não cumprir decisão que afastou Renan Calheiros

Viana negou insinuações de que poderia interferir em votações como a da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita os gastos públicos por 20 anos. O PT, partido do senador , é um dos maiores opositores da medida. Apesar de discordar do conteúdo da pauta de votações previstas para o fim do ano, ele lembrou que o calendário é fruto de um acordo e que, por esse motivo, precisa ser respeitado.

“Nós temos uma discordância enorme com essa agenda, com essa pauta que está colocada em apreciação aqui, mas ela é resultado de um acordo de líderes. Eu contesto versões que saíram de que eu tomaria medidas precipitadas”, comentou o petista .

LEIA MAIS:  Entenda as possíveis implicações do afastamento de Renan para o governo Temer

O vice-presidente pediu “serenidade” diante da crise política envolvendo os poderes Legislativo e Judiciário, e disse que “tudo o que quer é que a gente possa fazer com que o Brasil inteiro entenda que o Senado é parte da solução dessa crise, e não seu problema”.

Liminar

Para o petista, a liminar expedida pelo ministro Marco Aurélio que determina o afastamento de Renan é “grave”. Isso porque, segundo ele, “interfere em outro poder e tira da presidência de um outro poder aquele que foi eleito”. Ele voltou a garantir que “jamais” vai trabalhar em favor de interesses próprios. “Eu vou trabalhar pela instituição e pelo país.”

Na avaliação do petista, o País já sofreu uma ruptura muito forte com o processo de impeachment e não precisa de outra crise entre os poderes neste momento.

LEIA MAIS:  Plenário do STF votará nesta quarta a liminar que pede afastamento de Renan

Sobre a decisão tomada pela Mesa Diretora pelo não cumprimento da liminar, Viana garantiu que a postura adotada não tem a intenção de afrontar o Supremo . Segundo o vice-presidente, a nota divulgada pela Casa já pressupõe o cumprimento da decisão que for tomada. No referido texto, a Mesa diz que irá aguardar posicionamento do plenário da Corte, o que deverá ocorrer nesta quarta-feira (7).

Notificação

O oficial de Justiça enviado pelo STF para comunicar a decisão que afastou o senador Renan da presidência da Casa disse nesta terça-feira (6) que o peemedebista se recusou a receber a intimação por duas vezes. A confirmação está em um documento enviado ao ministro Marco Aurélio, que determinou o afastamento, para justificar a falta de cumprimento do mandado de intimação.


* Com informações da Agência Senado e da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.